domingo, 19 de março de 2017

Segue o jogo

Ah, mais uma vez eu achei que seria. Mas não foi. Mais uma vez depositei a minha intensidade, característica e não serviu em nada. Tenho medo de perder a esperança nas pessoas. Antes de começar, eu já tinha pensado: “Não vai dar certo”. E mais uma vez não deu.

Me preocupo demais quando estou com alguém. Isso deve assustar. Ainda mais pessoas cheias de retalhos de relacionamentos anteriores. Mas esse sou eu, tão cheio de intensidade, que chega a assustar. E realmente assusta.

Apesar dos pesares, gostaria que tivesse dado certo. Aquele sorriso lindo e aquele jeito todo especial me dizia uma coisa: Pode dar certo. Mas assim como escrevi há alguns dias, parafraseando 500 dias com Ela: “Só porque uma garota bonita gosta das mesmas coisas bizarras que você, isso não a torna sua alma gêmea.”

Eu não sei se tomei a decisão certa. Talvez eu devesse ser mais maduro e me acostumado com a forma livre dela ser. Mas racionalmente, eu sei que fiz o melhor, o melhor para mim. E se eu não pensar em mim, quem vai pensar? Isso mesmo: ninguém.

Eu não gosto de colocar fim em nada. Mas no momento, estou me colocando como ator principal da minha vida, às vezes incomoda. Mas é necessário. E o que vai ser daqui pra frente, eu sinceramente não sei.

Sei que vou sentir saudade de estar próximo, de sentir o cheiro. Mas é bom também aproveitar o luto, faz parte da vida, e seguir em frente, sempre em frente. A única coisa que temos é o agora, o ontem já foi e o adiante não nos pertence.

Então, segue o jogo.

Nenhum comentário: