sábado, 17 de dezembro de 2016

Enfim Jornalista

São quatro anos de muita dedicação e dúvidas: afinal, é essa a profissão que quero levar para o resto da vida? Primeiro, nada é para sempre. Tudo é relativo e precisa de interpretação e mudanças.  Mas mesmo assim, o período de faculdade é tenso, e muitas vezes sofrido.

Entrei no Jornalismo meio que por acaso, não havia feito nenhum tipo de pesquisa de mercado. Apenas me apaixonei pelo fato de contar histórias. O Blog existia há alguns anos, e resolvi investir na escrita. Hoje, tenho uma escrita mais madura que anos atrás, é claro que tenho que evoluir muito, assim como todos.

Pensei em trancar a faculdade várias vezes. Até hoje quando penso que é uma profissão difícil, paro para pensar. Mas na banca final, uma das presentes disse: “Muita gente busca o mais fácil. Admiro vocês por ter feito um tema que realmente gostam”, isso vale para a faculdade também. Claro que poderia ter aliado meu gosto por humanas a uma profissão mais “fácil”, mas não seria a mesma coisa.

Hoje sou jornalista e trabalho com redação publicitária. Espero evoluir cada dia mais e buscar meu espaço ao Sol. Se não, vou ter que trilhar meu caminho na sombra mesmo. Nunca gostei de me queimar.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Semana estranha

Essa semana tá muito estranha. Na segunda foi minha última partida com a galera da Facopp, Quarta minha última prova, ontem pela última vez estressei com o TCC e hoje a última vez que pisei na biblioteca para devolver livros. É estranho parar e ver como os quatro anos passaram rápido. Acho que apesar dos pesares, vou sentir falta de tudo isso.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Namorar é como uma montanha--russa

Namorar é como uma montanha-russa. No começo é da hora, você abre o sorrisão e fica com cara de tonto. Aí vem a primeira subida, do alto você observa como as pessoas abaixo daquilo são pequenas. Então vem a descida, dá aquele puta frio na barriga, mas você sorri de novo ao chegar mais uma subida. Depois disso, vem uma série de subidas e descidas, até que você enjoa e vomita. Após o vômito, meu amigo (a), você só passa mal e não espera a hora disso acabar.

Como a vida é frágil


Em questão de segundos, a sua vida pode simplesmente acabar. Ver jogadores como Cléber Santana que para quem ama futebol, viu a carreira do cara de perto, saindo do Santos e depois indo para a Espanha, e se reerguendo na Chape, o time que mais chamou atenção nos últimos anos.

Vários meninos de vinte e poucos anos, a um passo de irem para equipes grandes e darem um respaldo financeiro para sua família. Todos a um passo do sucesso. Todos a um passo da glória. Tudo isso ir para os ares de uma hora para outra.

É triste. É lamentável. É doloroso. E faz pensar como temos que aproveitar cada dia como se fosse o último.