sábado, 21 de fevereiro de 2015

Justiça com as próprias mãos


Não julgue o ato de alguém sem conhecer o contexto. Muitas pessoas se acham super-heróis e donas da verdade. Contudo, esquecem que não passam de seres humanos. E sabe qual é a diferença entre uma pessoa boa e uma ruim? A resposta é apenas a ação. Você acha que matar é entendível? Não? Então conheça a história de Vinícius.

Vinicius sempre foi um menino de bom coração. Seu sonho era ser advogado. Era dedicado a escola e era um excelente filho. Ele namorava Vanessa. Vanessa era seu amor de infância, desde quando ele a conheceu, ele sabia que ela seria a mulher de sua vida. Não me pergunte como, ele apenas sabia.

Quando chegou a faculdade, esse jovem precisou trabalhar para ajudar nas despesas de casa. Pois sua família estava passando por sérios problemas financeiros. Mas o garoto foi forte e conseguiu ser o melhor aluno da faculdade e também um excelente funcionário do tabelião de notas.

Antes de se formar, passou na prova da OAB.  Na formatura recebeu honras do coordenador do curso.  Algum tempo depois, recebeu a grande notícia, Vanessa estava grávida. Agora, o rapaz enfim poderia realizar seu grande sonho de ser pai. O nome da menina já estava separado, ela se chamaria Beatriz. Vinicius era obcecado por Dante, e ele queria ter enfim a sua Beatriz.

O jovem promissor ganhava cada vez mais. Tinha um mundo pela frente. Até que em uma Quinta-Feira qualquer seu castelo de areia foi derrubado pelas águas revoltadas da humanidade. Ao estacionar o carro na garagem de sua casa, notou um silêncio estranho, pegou a chave de seu bolso esquerdo de sua calça social marrom e abriu a porta.

Deu alguns passos na sala de estar. A casa era de dois andares e os quartos ficavam no andar superior. Ouviu um barulho estranho no andar de cima, correu para o quarto de sua esposa.  Ao abrir a porta foi surpreendido por uma cacetada que o fez cambalear, antes de desacordar, ele viu um semblante conhecido, era o irmão de sua amada, Pedro.

Vinicius acordou somente no hospital, ao ver o médico perguntou onde sua esposa estava. O médico disse que ela estava bem. Ele queria saber o que era estar bem, o médico disse que ela estava viva e não corria risco de vida, mas infelizmente ela havia perdido o bebê. A Beatriz do jovem advogado havia morrido.  Ele pensou o motivo de Pedro ter lhe batido, afinal, o que havia acontecido?

No mesmo dia, Vinícius saiu do quarto e procurou Vanessa. A jovem estava abalada, não falava uma palavra sequer. Ele perguntou sobre Pedro, ela desabou a chorar. Alguns minutos após isso, o delegado o procurou. Disse que havia passado na cena do crime e faria um exame detalhado no corpo de Vanessa, o rapaz interrompeu e gritou que Pedro havia feito aquilo. O delegado pestanejou, disse que não poderia tirar conclusões precipitadas.

Vários exames foram feitos. Nada constatado. Pedro não apareceu. Vanessa não falava uma palavra, mal comia, estava cada vez mais fraca, a beira da morte. Pedro era um excelente advogado, fez tudo que estava dentro de seu poder. Mas ele não tinha voz ativa, pois estava emocionalmente ligado com o caso. Era tudo em vão.

O tempo passou e Vanessa morreu.  A verdade é que Pedro era casado com uma filha do juiz.  O pai tinha garantido que nada aconteceria ao estuprador.  Já que Vanessa foi molestada por esse filho da puta, que era irmão dela. Vinícius não tinha nada a fazer, a não ser fazer com que ele sentisse a mesma dor.

Passado exatamente dois anos, Vinícius invadiu a casa de Pedro. Amarrou a esposa e a filha do estuprador. Quando Pedro entrou na casa, levou a mesma cacetada que Vinícius havia levado um tempo atrás. Mas ao acordar, ele não estava em um hospital. Estava amarrado na frente da esposa e da filha. Vinicius já não distinguia o certo e do errado.  Não aguentava aquela impunidade.

Pegou uma barra de ferro, segurou o rosto da criança, uma lágrima derramou daquele rosto infantil, ele não aguentou, ajoelhou-se. Não poderia fazer aquilo. Pedro era o monstro, não ele. Ele não poderia simplesmente se rebaixar ao que aquele filho da puta era. Então em um surto de justiça, virou-se para Pedro, com o mesmo ferro bateu com muita força na barriga do estuprador.

Vinícius, um grande advogado, um bom viúvo e um pai que nunca pode ser. Poderia ter deixado Pedro viver para ser pai da menininha. Contudo, antes de qualquer coisa, ele não poderia deixar aquele lixo solto na sociedade. Pois havia aprendido em seu curso, que apesar da justiça ser asquerosa, cada advogado deve lutar com unhas e dentes para que ela seja cumprida. E ali estava um caso claro de corrupção. Pedro precisava pagar e pagou. Um golpe certeiro na nuca foi suficiente para isso. Mas antes, ele tapou o rosto da criança e da mãe. Uma medida de segurança, assim como aquelas que são tomadas em voos a mais de 2 mil metros de altura.


Depois disso, o advogado se entregou para a justiça. Ficou 14 anos preso. Ao sair, voltou a advogar e passou a foder todos os estupradores. Trabalhava 12 horas por dia. Fazia o máximo para colocar esses seres asquerosos na cadeia. Ele é um advogado que apesar de um dia ter infligido a lei, ele sempre fez com que a justiça acontecesse. Infelizmente, ela foi falha com Pedro, mas ele tratou de corrigir essa falha.  


Continue abrindo a mente!




Nenhum comentário: