quarta-feira, 7 de agosto de 2013

CAPÍTULO 5: ENXUGANDO AS LÁGRIMAS

LIVRO: O MISTÉRIO DO SUICÍDIO DE MARIA

POR REINALDO DEL TREJO



O MISTÉRIO DO SUICÍDIO DE MARIA. CAPÍTULO I - UM TAL DE LUCAS

CAPÍTULO 2: NÃO POSSO VIVER SEM SEU AMOR

CAPÍTULO 3: UMA VIDA COMEÇADA PELA TRAIÇÃO

CAPÍTULO 4: POR QUE ME DEIXOU?


CAPÍTULO 5: ENXUGANDO AS LÁGRIMAS


Maicon amava Maria com todas as forças e perde-la não era algo que estava em seus planos, para o jogador de futebol, era mais fácil morrer do que enfrentar a dor de viver sem Maria.

Outro problema seria cuidar de seu amado filho sem o apoio de sua mãe. Apesar de Maicon adorar crianças e amar muito seu filho, ele não tinha a menor ideia de como ensinar Lucas a ser um grande homem.

A dor era recente para Maicon. Sua vida estava passando por sua cabeça, desde quando seu pai lhe ensinou a jogar bola até quando conheceu Maria em uma festa qualquer.

Depois de todas essas passagens em sua cabeça, pegou o primeiro avião e voltou para Porto Alegre, estava decidido a abandonar a carreira de jogador de futebol e cuidar de seu filho até ele alcançar sua maioridade.

Maicon pediu para que um funcionário do Grêmio tomasse conta de Lucas. Durante a viagem para voltar para Porto Alegre, inúmeras passagens da vida deles passaram em sua cabeça, mas Maicon não fazia a menor ideia de que ela tinha se suicidado por causa de João.

Lucas estava muito confuso com tudo que estava acontecendo. Achou tudo muito estranho e lembrou-se da ligação que sua mãe tinha recebido e pensou que algo de grave poderia ter acontecido.

Morte de pais não poderia ser, já que os seus avós haviam falecido há muitos anos em um acidente de carro.

Em seguida, Lucas sentou-se ao lado de uma janela e ligou o rádio e colocou uma música do Raul Seixas, chamada Canto para minha Morte, em um trecho dela, ela dizia:



Eu sei que determinada rua que eu já passei
Não tornará a ouvir o som dos meus passos.
Tem uma revista que eu guardo há muitos anos
E que nunca mais eu vou abrir.
Cada vez que eu me despeço de uma pessoa
Pode ser que essa pessoa esteja me vendo pela última vez
A morte, surda, caminha ao meu lado
E eu não sei em que esquina ela vai me beijar



Lucas começou a pensar que apesar da morte ser um evento inevitável, da maneira que aconteceu com sua mãe não. Ninguém se suicida sem um motivo, ainda mais sua mãe que era inteligente e tinha acabado de receber um convite para escrever uma coluna em nível nacional, ela amava seu filho e seu marido estava no ápice de sua carreira.

Em seguida, o menino que por atitudes já era homem, limpou o rosto e começou a analisar os casos e apesar da depressão pós morte, era hora de saber o que havia acontecido.

Quando seu pai chegou em casa, caindo em choro, deu um abraço no menino e disse:

_Vai dar tudo certo meu filho, papai vai cuidar de você.

O menino sorriu e disse:

_Vamos descobrir o que levou a mamãe a cometer esse ato.

O pai achou estranho a atitude do garoto, mas concordou, porque além da dor ele queria explicações, afinal, por quê Maria se matou?


2 comentários:

Aline Diedrich disse...

Preciso ler os capítulos anteriores... Mas o texto é trágico e envolvente... Com ótimas referências... Você citou Raul! Gostei \o/

Yasmin disse...

Muito legal sua escrita, a história como um todo e este capítulo, em especial. Fiquei curiosa! hahaha. Sucesso!
Beijos.