segunda-feira, 22 de julho de 2013

O MISTÉRIO DO SUICÍDIO DE MARIA. CAPÍTULO I - Um tal de Lucas



O MISTÉRIO DO SUICÍDIO DE MARIA





Por Reinaldo Del Trejo








PREFÁCIO


Algumas vezes, achamos que conhecemos as pessoas que são próximas em nossas vidas. Todavia, nem imaginamos o passado que elas podem ter.

A vida é um mar de segredos e obscuridades. Chega um momento de nossas vidas que devemos colocar tudo em “panos limpos”.

O Mistério do Suicídio de Maria conta a história de uma família supostamente feliz que é surpreendida pelo suicídio da mãe.

A partir desse fato, o marido Maicon e o filho Lucas fazem de tudo para desvendarem o que estava por trás da morte de Maria.

Porque por trás de uma consequência existem inúmeras causas. E são essas causas que fazem as perguntas moverem o mundo.

Agora não perca tempo. Abra o livro e tente desvendar junto com Lucas e Maicon o mistério do suicídio de Maria.


DEDICATÓRIA

Esse livro é dedicado a todas as pessoas que perderam um ente querido e querem buscar uma resposta para a morte do mesmo.






Há riqueza bastante no mundo para as necessidades do homem, mas não para a sua ambição.

Mahatma Gandhi






CAPÍTULO I: UM TAL DE LUCAS



Lucas Dias era um jovem de cabelos enrolados, ele adorava ficar mexendo nos cabelos e olhando para o céu, imaginando que cada estrela era um Sol, e dentro desses “Sóis”, existiam vários planetas que possivelmente eram habitados. Essa imensidão o deixava cismado e em seus devaneios alucinados, ele sempre chegava na conclusão de que somos pequenos demais para a imensidão de mundo.

Na altura de seus nove anos, tinha uma carga de vivencia até certo ponto alta, já que havia visitado Assunção, capital do Paraguai, Buenos Aires e até mesmo Londres. Em uma de suas viagens conheceu Frank Lampard, seu ídolo desde quando era novo.

Seu pai era jogador de futebol, o que havia lhe proporcionado um conhecimento de mundo incrível, tudo corria bem em sua vida, já que ele conseguia fazer aquilo que mais gostava, que era contar histórias, e mais que isso, todas eram vividas.

Lucas amava escrever, e certa vez relatou: “Escrevo tudo o que vivo, logo sou uma escrita viva”. Sua imaginação era fértil, sua inteligência era no mínimo invejável.

Embora fosse um jovem talentoso, seu pai não lhe dava muita atenção, já que era um jogador conhecidíssimo no mundo, era Maicon Dias, de vinte e sete anos e capitão do Grêmio Futebol Clube, time de Porto Alegre, não tinha muito tempo para dar atenção para seu filho. Apesar dos pesares, Lucas adorava o pouco tempo que passava com seu pai.

Ele estudava em um colégio particular e seguia os passos do pai, sendo sempre um dos melhores jogadores de futebol da escola. Todavia, seu sonho era outro, ele queria virar escritor e divulgar seus mais variados devaneios para todo o mundo, e assim mudar um pouco o globo, perpassando seus ideais.

A mãe de Lucas se chamava Maria e era a pessoa mais próxima do jovem, ela sempre o cobria antes de dormir e havia lhe ensinado a ler e o ajudou a conhecer a imensidão que a leitura pode propiciar.

Tudo corria bem, até que uma série de acontecimentos fizeram com que a vida do garoto mudasse de rumo totalmente, e ele passou a enfrentar o mundo de maneira diferente, com olhos foscos e sem brilho.


Nenhum comentário: