quarta-feira, 17 de abril de 2013

Ai eu levantei a mão

‘Professora, mas por que diabos eu vou querer introduzir meu pênis na vagina da menina?’, foi assim que começou um “reinado” de perguntas e mais perguntas e que acabaram estruturando meu alicerce pessoal, que é baseado em expor as mais variadas duvidas para os professores.

Desde o ensino fundamental enfrento um tipo de represália dos outros alunos por ter uma personalidade questionadora, e isso já me incomodou muito. Hoje em dia eu tento relevar, não me importar com olhares hipócritas para com minha pessoa, porque isso não me afeta em absolutamente nada.

A minha personalidade tem como essência a dúvida, e o meu jeito questionador é de minha criação, onde desde cedo meus pais impuseram que educação e cultura são fundamentais na formação de um ser humano, e sei que de certa forma fui manipulado a ser como sou, e olha, me orgulho dessa “manipulação”.

Agora, depois de quase duas décadas nas costas, vão querer impor tom de deboche em minhas questões levantadas? HAHA, isso nunca me afetará e quanto mais ar de deboche, mais questões irei levantar, sem medo de represálias.

Posso falar igual um robô, ser arcaico como um ancião, ou até mesmo falar ou escrever errado, quero que você meu “amado”, leia a seguinte frase: TO POUCO ME FUDENDO PARA O QUE VOCÊ PENSA SOBRE MIM.

Essa é minha essência e não vou mudar nem a pau, nem que me paguem. Só se um dia arrancarem minha língua, mas mesmo assim vou gritar por linhas tênues e sangrar por gestos incisivos.

E para não perder a linha do pensamento: Vai tomar no cu povo limitado, se engolem o que os professores lhe passam, o problema é de vocês. Enquanto eu tiver dúvida, irei questionar.


Um comentário:

B. disse...

Questionar é importante sim, até porque devemos ser alunos ativos e não receber a informação passiva, como se fosse uma 'lei', o que é dito pelo professor. Só que, as vezes, precisamos nos colocar no nosso lugar também, porque perguntas durante toda a aula, e a cada relato que o professor faz, podem quebrar o raciocínio dos demais alunos, bem como, atrapalhar a aula. Tem que saber ponderar sabe? Enfim, é esse o meu conselho, Sr. Del Trejo.