sábado, 2 de março de 2013

Engrenagem do mundo




Olhai por nós, olhai por nós. Ai vem a dúvida, quem será que está olhando por nós? Olharemos por nós, esbarraremos em nós mesmos?

Vagai por nós, arrastai por nós, morrereis por nós, quem fará algo por nós? Creio que ninguém nesse mundo de selvageria e barbáries. Cada qual olha para si mesmo e não se importa com o sentimento alheio, não importa o quão próximo seja ele/ela/cachorro de você.

Ingenuidade gira ao redor dos olhos castanhos, vivência de mundo não serve para nada, apenas para se fuder na mão de todos. Se importar? Ficar chateado? Que nada, tudo passa, tudo releva, tudo se impõe.

No fim, bem no fim, a única verdade é que temos que se apoiar em nós mesmos, mais em ninguém, porque ninguém vai fazer nada por você. Esse é o mundo, essa é a vida, essa é a história.

Triste não é? Mas é assim que funciona o mundo, nessa engrenagem egocêntrica e sem sentido, pelo qual eu e você irá sofrer muito, não, não acabou o sofrimento. Nascemos, crescemos, ganhamos dinheiro, trepamos, fazemos filhos e morremos.

E dá-lhe um belo fim para o conto de fadas de asas caídas. Um mundo asqueroso e doentio, sem sentido, sem pudor. Olhai por nós, cada vez essa frase fica mais irônica e depressiva. Afinal, quem olhai por nós? Quem?


Um comentário:

B. disse...

Está afiado na critidade hein Del Trejo? Tens razão sobre o tal egocentrismo que move o mundo, porque apesar de ele ser um problema, em contrapartida também é necessário, porque como você ressaltou, no fim somos nós, por nós mesmos. É intrigante essa questão.