sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Um conto de fadas onde não existem fadas

Existem pessoas que você pode fazer o máximo por elas, que elas nunca irão te aceitar ou simplesmente te reconhecer como algo que tenha valor. Essas mesmas pessoas às vezes acham que podem te usurpar, tanto físico quanto emocionalmente, e ainda acreditam que podem te moldar para a sociedade.

A pressão social existe por todos os lados, principalmente em seres que nunca irão reconhecer nenhum de seus feitos, nem para falar de “peito estufado”, a vida é um mar de falsas “regalias” amontoadas de meias verdades que não são escarradas.

A ingratidão é um sentimento comum para algumas pessoas, que nunca irão reconhecer o seu trabalho seja bem feito ou mal feito, algumas vezes os critérios éticos e ideológicos se extraviam nos dedos do rancor.

O rancor é um dos piores sentimentos que um ser humano pode decifrar, mas assim como amor, carinho e afeição, é uma característica humana e impossível de não sentir em algum momento da vida.

A falta de reconhecimento é a pior desgraça desse mundo, e o mais triste é que você gostaria que apenas uma pessoa te elogiasse uma vez nessa vida, e ela nunca o fez e nunca fará, apenas algumas pouquíssimas vezes, e ainda sim, por indiretas incertas.

A vida é triste e isolada, algumas vezes não dá para esquecer alguns problemas que ultrapassa os valores, nada terá sentido sem o reconhecimento. Nenhum trabalho é bom o suficiente se não tiver um elogio explicito, uma verdade jogada sobre aquilo que foi feito.

Ai do nada me vem na mente pessoas que se importam comigo pelo que eu sou, pelo que eu faço, pelo que eu posso mudar, e isso é o que importa, eu tenho por quem lutar, e por essas pessoas eu farei de tudo.

Agora, aqueles que só me julgam e querem me usurpar, estou pouco me lixando para com suas opiniões. A verdade dói, mas algumas vezes temos que nos levantar do sonho inventado e vermos com olhos foscos da realidade, porque essa é a vida. Um conto de fadas onde não existem fadas.


Um comentário:

B. disse...

Você falou tudo, Del Trejo, enquanto estivermos por quem lutar, é o que importa. É claro, o reconhecimento é importante, mas quando é sincero e quando parte de quem nos ama de verdade.