segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Hey 2013!


Quando menos vi tinha acordado de madrugada no dia 1/1/2012, estava de ressaca, havia bebido muito na virada do ano, foi tanta vodka na minha cabeça que eu sequer aguentava andar, até agora, eu pensei que esse tinha sido o retrato do meu ano, um ano embriagado. A embriaguez não está relacionada com o álcool ( Ta, nem toda ), mas com um ano que para minha concepção foi estranho até pensar um pouco sobre ele.

Certa vez eu li em algum lugar que a maneira que vivemos é como lidamos com os acontecimentos e não em si os acontecimentos, meu irmão diz que eu quero dar uma de Platão quando começo a falar muitas palavras em cima de palavras. Mas a verdade é que eu fiz da minha vivencia um filme de terror, daqueles bem vagabas, e isso não era necessário com toda a certeza.

Acho que eu levei os problemas de forma inapropriada, e acabei me afundando em mim mesmo. E isso não foi muito proveitoso, já que acabei considerando um passar de datas uma quase calamidade.

Sei o quão “pé no saco” fui esse ano, tenho certeza que esse novo ano muita coisa vai melhorar, vou conseguir ser uma pessoa menos depressiva, estressada, pegajosa e etc. O tempo que passou, eu não soube encarar e sei muito bem disso.

No post do natal acabei falando muita coisa que eu senti nesse ano, sei que fui muito imaturo em inúmeras vezes, e isso não foi bom nem para mim, muito menos para aqueles que me rodearam.

Esse novo ano está em cima, faltam poucas horas para tal, e espero que seja muito mais que apenas um passar de datas, com novas pessoas, novos laços, novos amores ( será que já veio antecipado? ), novas histórias a serem contadas, novas invenções, loucuras, bobeiras vivenciadas, sorrisos escaldados, vidas renovadas.

Espero de coração que esse 2013 seja repleto de amor e carinho para todos aqueles que marcaram minha vida, e para os desconhecidos e leitores do blog também, é claro. Não quero me despedaçar em palavras, mas sei que vem coisa boa por ai, e espero que eu possa voltar a sorrir sem medo de ser feliz, e se o medo bater na minha porta, vou conseguir me reerguer como uma fênix renasce das cinzas.

Muitas pessoas acreditam que um passar de datas não pode influenciar em muita coisa, mas penso diferente disso. Acredito que por sermos humanos, precisamos de uma retomada para nossos objetivos, sonhos e desejos. E nada melhor do que vários rojões e felicidades no rosto de todos não é mesmo?

2013 não vai ser um ano que se bate apenas na esperança, será algo bom com um sabor de perseverança e luta. E se o destino ou o acaso não deixar a gente ser feliz, faremos na marra, nem que seja na “brutalidade”.

Sem mais. Feliz 2013 galera!


sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Coloque na prática

Planos, planos e mais planos. A vida dele foi rodeada de teorias mal feitas, ideais que não puderam ser erguidos na prática. Uma vida sem um alicerce capaz de se manter estável.

Mundo teorizado e desestabilizado, o humor vagante, radiado por um monte de nada. Visões futuristas que se encaixam em uma esperança que é cega, muda e surda. A crença no ser humano supera qualquer rito ou divindade, e é nisso que ele se perde, porque confia, acreditando que existem corações puros.

Mas no fim, seus anseios podem ser verdadeiros, porque bem no fim do túnel pode existir alguém que ele possa confiar, talvez tenha encontrado esse alguém no meio de uma imensidão que vai do Oiapoque ao Chui, mas não estava tão longe assim, estava perto o suficiente da sua faculdade, da cidade que ele passou grande parte do passar de datas.

Agora tudo parece se confundir, não sabe mais o que vai fazer da vida, não sabe nem ao menos o que pensar, uma explosão de sentimentos rondam a cabeça complexa desse jovem, mas o acaso parece enfim ter lhe ajudado em algo.

A vida lhe ensinou que planejar não é algo assim tão aceitável, já que tudo que é colocado no papel muitas vezes não é concluído na prática, e isso é um pouco quanto intragável. Mas ao mesmo tempo límpido, puro, bom.

Merda, essa é a definição mais “gentil” que ele encontrou para a vida durante muito tempo, mas enfim ela que era temida pode estar sendo alinhada, depois de anos, minutos, horas. Algumas coisas mudam a vida, como um sorriso ou um simples olhar.

Dizem que o olhar é o vetor do coração, e que não importa o quão minucioso seja o transportador de palavras, não existe palavra errante que esconde um coração que palpita.

Agora pergunta para esse garoto/rapaz/homem o que ele acha de todos esses mistérios e confusões que a vida está lhe proporcionando. Talvez ele dê de ombros e mande você ir para a puta que o pariu ou quem sabe ele tente te explicar, mas não dá para teorizar, porque no fim, bem no fim, ele, eu e você sabemos que a vida é muito curta para ficarmos teorizando, e o que realmente importa é colocar na prática.


segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Feliz natal How How How

Hoje é dia 24 de dezembro de 2012, véspera de natal que para muitas religiões significa a comemoração do nascimento de Jesus Cristo e logo o inicio da esperança e possibilidade de concretização de amor e carinho. Para outras religiões e para ateus e agnósticos é uma data sem um significado concreto. Todavia, apesar dos pesares é caracterizado como a união de entes queridos e amigos. Porque a união que o natal proporciona é algo incrível, e acredito que todos gostem desse tipo de união, não importe seus credos, pensamentos e tradições.

O natal é uma data que as pessoas se unem, fazendo aquilo que deveria ser feito durante o ano todo, mas como sabemos, o que falta no mundo contemporâneo é tempo, então fica difícil ficar junto das pessoas que realmente importam durante todo o passar dos calendários.

Quando menos vemos estamos nos afastando das pessoas que um dia foram importantes em nossas vidas, e esse sentimento de perda é horrível, deveria ser evitado ao máximo, mas infelizmente, muitas vezes não é possível.

O natal proporciona momentos de união que vemos como seria nossa vida se estivéssemos sempre juntos daqueles que importam, e olha, na minha opinião, seria muito melhor. Algumas vezes, chego a pensar que é hipocrisia das pessoas terem aquele “sorriso eterno” apenas nessa data, mas nesse exato momento que digito sei que é algo necessário, porque sorrir é indispensável em nossas vidas, e se for para sorrir em um dia do ano, é melhor que nunca sorrir.

Queria desejar um feliz natal para todas as pessoas que estiveram presentes em minha vida nesse 2012, sejam aqueles que estiveram presentes durante todo o ano, companheiros de sala, amigos, família, blogueiros, amigos que não tive o prazer de conhecer pessoalmente, ou os algo a mais. Agradeço por ter conhecido pessoas marcantes nesse 2012, que com certeza ficarão para sempre no fundo do meu peito, agradeço por poder imaginar sardas que sequer existem, mas é realmente bom mesmo ter contado com todos vocês.

Agradeço a todas as pessoas que me deram força nos momentos mais difíceis, seria hipocrisia minha falar que esse 2012 ao todo foi bom, porque realmente não foi. Foi um dos anos mais difíceis da minha vida, mas mesmo assim agradeço a todos que não me abandonaram na transição do “reinaldo satisfeito” ao “reinaldo quase depressivo”.

Minha vida teve alguns pontos tristes nesse passar de datas, espero que isso melhore em 2013, mas enfim, não estou me despedindo do ano e sim desejando um feliz natal, e como sempre, estou desviando total do foco do texto haha.

Queria desejar muitas felicidades, não somente nesse natal, mas também em todo o ano, e que vocês consigam lutar pelos seus sonhos, encontrar um grande amor, se satisfazerem profissionalmente, ganhar muita grana ( ora, por que não? ) e que evoluam sempre como pessoas.

Novamente, um grande obrigado por fazerem parte de minha vida, sejam amigos, familiares, algo mais e afins. Foi muito bom ter contado com vocês nesses momentos, sejam os felizes ou amargos.

Feliz Natal HOW HOW HOW!


sábado, 22 de dezembro de 2012

E foi no acaso


E em alguns momentos, nos acordamos pensando que em um dia por acaso podemos conhecer alguém que nos balance.

Longe? Nem tanto,mas não é do “lado do bairro” como um dia um certo alguém disse.

Talvez o amanhã não seja tão forte como o hoje, mas se o sentimento continuar em franca expansão como está, dificilmente morrerá na praia.

Um salve para o acaso por me propiciar tal vivencia, um salve para a pessoa que recebe essa indireta por ter esbarrado no meu caminho, um salve para a felicidade que está a um passo de nossos pés, que não precisam mais andar em linhas tortas, pois os tracejados tênues estão de encontro.

É difícil falar, é difícil descrever, mas é mais ou menos assim.


sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Fim do mundo?

Bom, hoje é dia 21 de dezembro de 2012, o que para muitos seria o fim do mundo , ou o que alguns pensaram que poderia ser. O fato é que em momento algum, o calendário maia quis dizer que aconteceria uma catástrofe que levaria a extinção da raça humana, tudo não passou de um equivoco.

Vou te dar uma pequena noticia, preste atenção no que irei falar: “O mundo não vai acabar hoje”. Ao menos não o mundo como um todo, talvez acabe pessoa por pessoa, particularidade por particularidade.

O seu mundo acaba quando sua honra se extravia pelos dedos do sistema, seus ideais morrem na praia, sua ética se corrompe, seus sonhos são ceifados pela covardia.

É engraçado como algumas pessoas se preocupam com o fim, tem medo do desconhecido e não fazem nada para evitar algo fora do comum, vivem uma vida moldada, deixam a monotonia tomar conta de seus seres e não fazem nada para evitar que suas vidas sejam destruídas.

O fim do mundo seria uma maneira de se fugir dos impasses, dos problemas que a sombria vida pode proporcionar, e parece que o ser humano quer um chão desse para ser pisado, como se não pudesse encarar os desafios que a vivencia pode proporcionar.

Olhe para você, se analise, veja se está feliz, se está fazendo o que seu coração manda, você está onde queria estar? Se pergunte se essa é vida que você quer ter, olhe para o horizonte e se veja.

Está cursando uma faculdade? Se imagine em tal profissão, não se vê feliz ? Então larga essa porra de curso e vá fazer algo que se identifique, ou que lhe traga algum beneficio que considera importante.

Está com alguém? Não perca tempo com uma pessoa que não tem nada a te propor, fique com alguém que você quer fazer sorrir e que pode te fazer sorrir, procure o fascínio dentro do coração daquela pessoa, procure unir as sardas aos pontos da vida, pense se queria estar com esse alguém, e se não, largue mão, não vale a pena iludir e ser iludido.

Já disse para seus pais que os ama? Não? Então está esperando o que? Que você ou eles fiquem em uma cama de hospital para declarar seu amor eterno? E se a morte for de uma vez, o que você fez? Nada? Palavras se extraviaram, e a validade do seu sentimento pode simplesmente acabar.

Acha que poderia ser uma pessoa melhor, mais inteligente, mais capaz? E o que faz em relação a isso? Nada? Acha que alguém vai te pegar no colo e fazer você crescer como ser humano? Bom, meu caro ou cara, isso não vai acontecer.

O dia 21 de dezembro não pode significar o fim do mundo como um todo, mas se analisarmos bem, não estamos longe de um fim, porque não estamos felizes, não somos o que queríamos ser, tão pouco fazemos o que gostaríamos de fazer.

As limitações sociais assassinaram o livre arbítrio da maneira mais cruel, mas apesar dos pesares, ainda temos salvação. Bem no fundo, tem uma luz dourada e amarelada que possamos encontrar alguma resposta.

Um lugar qualquer, um show qualquer, muita coisa pode mudar nossa vida, depende muito de como vamos lidar com isso, mas o que importa é fazer aqueles momentos serem eternos, aproveitarmos tudo que a vida pode propor é a melhor maneira de viver, de fazer valer a pena.

Madrugada adentro, a manhã bateu na janela do meu quarto, eu nem dormi, minha cabeça está tão cheia, meu coração despertado, e não quero dormir, não quero, tenho medo de adormecer e ver que tudo isso não passou de um sonho distante.

As pequenas coisas começaram a me fascinar, e o dia 21 de dezembro não significa fim para mim, muito longe disso, acho que a vida ceifeira parou de assassinar meus ideais a partir do momento em que eu olhei para o fim do túnel de uma maneira diferente.

Não deixe essa maldita data acabar com sua vida, mostre que ninguém pode acabar com seu mundo, porque a nossa força extravasa qualquer que seja o obstáculo. Levante sua cabeça e mande essas teorias de fim de mundo para o espaço e lembre-se que o único que pode destruir seu mundo, olhe só, é você.


terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Cansado de estar cansado


Estou cansado de pessoas que apenas reclamam da vida, estou cansado de pessoas que não sabem o que querem de verdade, cansado de seres estúpidos que se julgam melhores que outros, cansado de ver tanta ingratidão em olhos obscuros.

Cansado da humanidade ser tão estúpida e egocêntrica, cansado de ver que no fim do túnel não existe luz porra nenhuma, apenas mais um passar de dias que se abastecem no nada.

Cansado de criar velhas esperanças em pessoas novas, sei que no fim tudo acaba igual, na sombria da indiferença. Cansado de olhar para o espelho e ver olhos foscos, sem brilho.

Cansado de acordar e não ter um objetivo em mente, cansado de olhar para trás e não ver nada feito. Cansado de ser um grande vazio, cansado de ser uma pessoa “comum”, cansado de não poder fazer nada para mudar.

Cansado de só me autocriticar, cansado de tudo isso. Acho que de tanto me cansar eu aprendi que a vida é muito curta para ficarmos presos em alguns por quês e entretanto. O mas se estabeleceu no jogo da ousadia, e o todavia se perdeu em palavras categóricas.

A vida é um porre, eu sei disso. Mas de tanto me cansar eu posso enfim levantar a cabeça, lutar por mim, porque eu cansei dessa canseira e a partir de agora não será mais assim.

Dá para lutar por meus sonhos, medos, objetivos, anseios. Mas para isso é necessário dar um passo de cada vez, subir um degrau por degrau, aproveitar um sorriso, uma pessoa que te dá valor, experimentar o novo, entender o além e quem sabe abrir o coração.

Lembro quando dei o nome do meu blog, “Mente Aberta Reinaldo Del Trejo”, a ideia era fazer altas criticas sobre a sociedade contemporânea, abrindo espaço para várias visões de mundo. Infelizmente ou felizmente não sei, os planos se alteraram, a maioria dos posts foram escritos com o intuito de extravasar, querer falar algo sobre minha vivencia, ah, minha vida é uma monotonia danada.

Quantas indiretas aqui escrevi, quantas linhas tremulas foram digitadas e mais do que isso, quantos desafogos esmorecidos foram despejados. Não sei se devo mudar essa maneira de escrever. Mas acho que a partir do momento que se escreve com a alma, os assuntos simplesmente fluem naturalmente.

Agora se você se identificou com o “cansado” lá do começo do texto, levanta essa sua bunda gorda ( ou magra ) do seu sofá ( ou cadeira ) e vai aproveitar a sua vida porra. Está chovendo pacas? Sim, está, mas não ache que o mundo deixa de rolar só porque algumas gotas caem do céu. Aproveite enquanto está aqui.


segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Inventor de amores

Algumas vezes nos encontramos em uma vida boa, com amigos, emprego, estudos, autoestima elevada e tudo que uma pessoa pode querer para se considerar feliz. Mas como o ser humano é extremamente estúpido, acaba criando uma maneira de sentir dor, como se não passasse de um ser inteiramente masoquista.

É como uma escolha a dedo, sem grandes afeições ou valores. Parece que o ser humano escolhe alguém para exprimir o sentimento que a mídia burguesa institucionalizou. Como se não fosse possível ser feliz se apreciando, se gostando.

A vida é muito maior do que um sentimento derivado do nada, não precisamos estar com alguém para sermos realmente felizes. É claro que se a pessoa valer a pena, tudo muda, mas tem que ser algo natural, sem ser forçado.

Amor é um sentimento que deve causar bons sentimentos, atitudes agradáveis, trazer a felicidade, além de ter que existir gostos em comum entre onde estiver existindo amor. Amor não machuca, não usa, não é indiferente, não causa dor.

Agora, se você perdeu seu tempo indo atrás de um amor inventado, você não passa de um babaca que não sabe aproveitar a vida. Tem muita coisa para ser vivenciada, muitas pessoas para serem conhecidas, muitas paixões, desejos carnais a serem sucumbidos, felicidade a ser desfrutada.

Ficar preso em algo inventado é um impasse sentimental e intelectual. Porque quando menos vemos, o sentimental prejudica o intelecto, e você que antes era uma pessoa incrivelmente inteligente pode virar um grande idiota que gosta de se sentir um coitado.

As pessoas demoram para aprender, parecem que gostam de sofrer e se sentirem vitimas. Mas como diz o velho ditado, “Antes tarde do que nunca”, que eu, você e todo mundo possa aprender que se for para ser algo superficial e inventado, que não aconteça.

Muitas vezes jogamos na costa de alguém o manto vermelho camurça do amor, como se aquela pessoa fosse solucionar todos nossos problemas, e acabamos nos esquecendo que nós que temos que lutar por nossas causas.

O maior problema dessa invenção é que acabamos esperando muita coisa de quem tem pouco a oferecer. É como se esperar que tiremos leite de pedra, não tem como. Esperamos que uma pessoa que tenha gostos opostos do seu supra sua necessidade de entretenimento, acabamos querendo que uma pessoa que ouça sertanejo entenda seu gosto por Nickelback, Raul e Legião Urbana e assim por diante.

É estranho como a força da mente pode fazer seus caminhos mudarem. Muitas vezes você acaba se perdendo no seu próprio jogo da vida. Porque a “felicidade” que você vivia não era o suficiente. Porque de alguma forma alguém colocou na sua cabeça que você precisava de alguém.

O ser humano é tão incrível, incrivelmente idiota. Acaba criando problemas que simplesmente não existem, apenas para se adequar ao que a sociedade julga o correto. E como alguns revoltosos dizem, a sociedade só quer impor, nada mais.



Você quer fazer o que alguém lhe impõe? Bom, eu não. Chega de ilusões baratas.


sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Se for trair, não namore

Um relacionamento se baseia em confiança, sentimentos, perseverança, esperança, objetivos em comum além de uma série de fatores que levem duas pessoas a acharem que devem estar juntas.

Na teoria é muito lindo ter um relacionamento, mas infelizmente existem alguns seres desprezíveis que acham que podem trair, ter relações com outras pessoas, mentir e várias outras coisas que deixa o caráter de pessoa x em dúvida.

A traição é uma das coisas mais nojentas que podem acontecer em um relacionamento, e não é nem pelo lado carnal e sim pelo sentimental, já que trair impõe mentiras e o fim da confiança. E a base sólida de um relacionamento é a confiança, e se ela não existir, não existe motivo para ter um relacionamento.

Trair é uma das atitudes mais covardes que um ser humano pode ter para o outro, é como se fosse uma apunhalada pelas costas, é uma atitude extremamente asquerosa.

O engraçado é que existem alguns retardados ( as ) que acham que a traição é comum em uma vida, como se fosse algo inevitável. É tanta hipocrisia e falta de ética que esse mundo acaba virando uma selva de barbáries por atitudes do tipo, e a cada dia passado, parece que nos afundamos mais na lama da mediocridade.

Aquele que trai não passa de um safado ( a ), porque está apunhalando aquela ( e ) que está sempre ao seu lado, nos momentos bons e ruins. Essas pessoas não merecem amizade e sequer coleguismo, já que se esse serzinho fez isso com alguém tão importante, o que ele pode fazer com alguém que nem sempre está junto? Pode até te matar.

Se você já traiu e está lendo isso, espero que pense dez vezes antes de fazer tal atitude de merda, e se pensa em trair, faça um favor para você mesmo, largue da pessoa, fique solteiro e largue de ser filho da puta.

Um solteiro não precisa responder mensagens, não precisa atender ligações, não precisa ficar “impedido” de pegar geral e assim por diante. Seja homem/mulher e honre seu nome, seu caráter. E se for para ficar que seja de verdade, chega de teatrinhos e hipocrisias. Se for trair, não namore.


domingo, 9 de dezembro de 2012

Sou Chelrinthians!


Lembro da derrota alvinegra para o Santos de Robinho e Diego, lembro também do time tetracampeão brasileiro com Tevez e Nilmar, chorei com a queda do timão para a segunda divisão em 2007, vi o Corinthians ganhar o primeiro jogo contra o Boca Juniors da cama de hospital e vi também meu timão ser campeão da libertadores.

Do outro lado do plano, vi meu Blues ser bicampeão inglês da temporada 04-05 e 05-06, vi meu Chelsea perder para o Liverpool em 2005 na eliminatória do torneio continental, fiquei muito triste com a derrota para o Manchester United na Champions 2008 nos pênaltis, e vi a consagração londrina contra o Bayern de Munique na Champions League com Cech, Drogba, Lampard e Cia.

Duas paixões mescladas, uma pela qual eu nasci, outra que eu escolhi e aprendi a adorar. Já acompanhei demais futebol, hoje em dia sou mais tranquilo, mas esse evento não podia deixar de ser relatado por mim Reinaldo, sendo que sou Timão e Blues de coração. O problema é que o campeão da Champions e Libertadores da América caem em chaves opostas no Mundial Interclubes, e podem se enfrentar na final do torneio.

Ambos foram campeões continentais pela primeira vez, chega a ser uma ironia do destino haver um confronto entre dois times que adoro tanto. Irei torcer para o Corinthians por ser meu time de berço, mas bem no fundo haverá um fundinho azul no meu peito.

Não importa quem ganhe, o meu gostar vai ficar intacto para ambos os lados. Fiquei extremamente feliz com a conquista do Chelsea e do Corinthians, mas não queria ter esse sentimento de ter que torcer contra um dos dois, no caso o Chelsea.

É um dos sentimentos mais estranhos que o futebol já me proporcionou, não é tristeza nem medo, é uma ansiedade fora do comum, afinal, pela primeira vez em anos, irei torcer contra o Chelsea. Mas se o Chelsea for campeão sorrirei, e se o Corinthians ganhar também o farei, o que não pode é algum dos dois perder nas semi, ai seria demais, ou melhor, de menos, seilá.

Daqui uma semana, espero poder escrever algo sobre a sensação da grande final do mundial interclubes, espero que seja um grande jogo e que vença o melhor!

Só entende esse sentimento estranho quem ama futebol, tanto o esporte quanto a vida de times, o acompanhar de jogos sobre jogos, a visão futebolística, enfim, só posso falar que hoje eu sou Chelrinthians e ninguém me tira isso.

Ah, e serei campeão do mundo de qualquer maneira! Ah moleque!


sábado, 8 de dezembro de 2012

O normal cansa

Estranho, egocêntrico, diferente, retardado, doido, louco , débil mental, psicótico, sociopata, excêntrico. São tantas as definições que já recebi nessa altura dos meus dezenove anos que não sei se consigo me lembrar de todas elas.

Normal eu sei que não sou, e me amo por isso. Me amo por não ser igual a populaçãozinha de merda que segue estereótipos de bosta e acha que está levando a vida na serena, na moral. Sim, vocês estão fazendo o que a porra da sociedade institucionalizou para vocês, e estão se fudendo com isso.

Não posso dizer que não estou incluso na sociedade, porque seria uma grande mentira. Tenho anseios capitalistas e preciso ter contatos sociais como todos, todavia, não sigo tudo o que as pessoas querem sobre mim, não sou assim tão comum.

O normal morreu de podridão de caráter e não viveu sua vida, foi sim um boneco manipulado por outro, outros que disseram que ele podia gritar, podia escrever, podia ler, podia opinar, podia viver.

E de tanto comandos, o ser humano se robotizou, e de seres robotizados a política gritou: “É isso que eu queria porra”, e de tanto falar porra e caralho o falso rebelde nadou contra a maré sem um objetivo verdadeiro, a lá revolucionários sem causas que só querem ver o circo pegar fogo.

O circo pegou fogo e depois sobrou apenas a armação de metal, foi lá o psicótico e matou o revolucionário que já não tinha um circo para colocar fogo, o psicótico não sabia o que fazer então morreu de desprazer.

A vida seguiu, o normal perdeu sua alma para o mundo conformista, o diferente que não tinha uma causa se fudeu do mesmo jeito e a vida seguiu nojenta e asquerosa como sempre. O amor não existiu na cabeça do apaixonado, o conhecimento não brotou no coração do intelectual e morreram tristes como sempre.

Ai foi um pau no cu e roubou todo mundo, espero que queime no inferno mesmo não acreditando em tal. E foi lá o despreparado e virou presidente da republica, com nove dedos ( capeta de nove dedos ? ) , ai foi lá o povo e endeusou o capeta e a vida seguiu.

Foi lá o certinho e viveu a vida de seus familiares, morreu e não jogou seu jogo de plataforma que tanto gostava. O magricelo precisou fazer academia para se estereotipar na merda dos moldes sociais e o gordinho ( olha eu ai haha ), bem, o gordinho queria emagrecer para ter mais autoestima.

E a vida seguiu, todo mundo com suas cabecinhas de retardados, assim como eu e você, seguindo a vida de um outro alguém, fazendo aquilo que o outro achou que seria o certo, inventando amores porque precisamos sofrer por pessoas que não nos merece e assim por diante.

Ouvindo algumas musicas que todo mundo ouviu, tentando remar contra a maré, fazendo tudo errado como sempre, erros sobre erros empoeirando o tumulo da dignidade moral.

A vida seguiu e todo mundo já estava morto, sem um olhar brilhoso, apenas com retalhos de um preto fosco sem sentido. Espero que um dia alguém aprenda a viver essa porra de vida, porque todos os filhos da putas, assim como eu, apenas existem.

Essa frase já ficou praxe em inúmeros textos meus, mas é a mais pura verdade...Não exista, viva... Queria saber quantas pessoas fizeram isso em todo o girar de globo, talvez umas dez?

Bom, eu não sou o total desarme social, só que também não sigo tudo o que dizem sobre mim, então vamos parar de ficar analisando os outros e se analisem. Parem de olhar o rabo dos outros e fiquem mais preocupados em realizar seus sonhos e objetivos.

Esqueçam de agradar ao outro, agradem a si primeiro de tudo. Parem de viver a vida dos outros, parem de querer ser igual a todo mundo, isso cansa sabia? Esses modelos estereotipados tiram todo o gosto da vida.

Queria viver em um mundo onde todos fossem diferentes, queria que cada um seguisse seu caminho sem se importar com pressões sociais, mas o que vejo é um mundo igual, onde cada um acha que pode querer impor algo ao outro.

Será que ninguém vê que tá todo mundo igual?


sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

O que escrever?


Perna direita esticada em direção à impressora, camisa preta, short azul, caneca da faculdade com chá, Linkin Park tocando alto, conversa com pessoas inteligentes, facebook aberto, Word exposto, vontade de escrever, sem um tema bacana a ser abordado. O que fazer?

Coração tranquilo, vida tranquila ( apesar dos tumultos pessoais ), TV ligada passando cantor italiano que não sei o nome, pais na sala, ar seco, celular sem mensagens, sexta-feira sem sair de casa, um semestre inteiro sem ter tido uma vida pessoal interessante.

Estudos sobre estudos, o semestre se dissipou, não sei o que fazer nessas férias, me afogar em livros? Estudar algo novo? Aprender inglês? Eu não sei, os grilos gritam e a única coisa que me vêm na mente é um CRI CRI CRI irritante.

De irritação em irritação me veio a preguiça, a preguiça exposta no nada, o nada deriva de tudo, então a vontade de nada fazer seria a resposta de tudo? Acho que não, talvez sejam apenas algumas palavras para definir minha falta de coragem.

Escuridão no fim do túnel, vontade de correr e desafiar o desconhecido. Poxa vida, eu não sei o que escrever, o que devo fazer?

Queria postar um post no blog e o texto seria sobre a falta de assunto. Mas falta de assunto? Como assim, cada suspiro é um assunto, cada mudar de pensamentos, cada movimento da nuvem, cada raio de sol.

Então essa desculpa de não ter o que escrever não passa de uma bela de uma desculpa. Uma muleta para a preguiça, então abre seu Word e escreve. Escreve o que der na telha, porque nem que você escrever 10 textos por dia, os temas não irão se dissipar. O que você cria é uma desculpa, e de desculpa em desculpa você vai se matando.

Esqueça as desculpas, e isso não serve apenas para a escrita, mas para tudo em sua vida.


terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Vamos dar um pouco de tempo

Não sentia fome, nem frio. Lá estava um homem alto, cerca de 1,85 m, olhos castanhos claros, cabelos lisos, sentado na praça da cidade de Alvorada.

Estava lá fazia mais de cinco dias, sem se movimentar, sem camisa, olhar vago, todos o olhavam, mas ninguém sequer queria saber quem era aquele homem. Todos estavam ocupados demais com suas vidinhas inúteis, e não tinham tempo para perder com um “mendigo”.

Até que certo dia, Jaqueline junto com Vanessa passavam perto do homem misterioso e perguntaram quem ele era e se queria algo, o sujeito estranho simplesmente sorriu. As jovens não entenderam o sorriso, e continuaram a tentar entender aquele ser misterioso.

Sem uma palavra dita, o homem se levantou, se espreguiçou e enfim disse algo:

_Vocês me notaram, é o suficiente.

Sem entender nada, as meninas se despediram e foram embora. Até que quando olharam para trás, o misterioso homem havia desaparecido, confusas, foram para casa, onde a mãe de Vanessa as esperavam com um delicioso almoço.

Há alguns quilômetros dali, próximo ao limite de município de Alvorada com Mattos, estavam vários homens, com trajes angelicais, espadas, capas escuras e olhos vermelhos, eram anjos da morte e da destruição, e era notável o desejo sombrio de sangue no olhar de cada um. Até que surgiu o homem que estava sentado na praça, só que com um capuz branco e um grande tacape, e disparou a seguinte frase:

_Ainda existe esperança, vamos dar um pouco de tempo para os humanos.

E desapareceram, junto com a brisa da primavera, com o vento empoeirado, indo embora, sem avisos prévios ou possíveis retornos futuros, apenas foram embora.