terça-feira, 27 de novembro de 2012

Cadê o racional?

Eu tentei fugir de toda essa tormenta, achei que era forte o suficiente para esquecer esse sentimento mastigado. Acreditei que poderia fugir, me esconder, fechar as janelas da vida. Achei que era capaz de te esquecer.

Mas infelizmente a vida não é tão bacana para comigo, não sei bem o que fazer, sei que lutar contra não dá mais, pois todo caminho me leva a você. E quanto mais eu tento me afastar, lá vem a sua imagem no meu semblante, na minha mente, no meu coração.

Fiz o suicídio da razão na primeira vez que te conheci. Mesmo eu não sendo a pessoa mais inteligente do mundo, pensando em você eu fico débil, demente, incapaz de usar o raciocínio lógico. Acredito que seja instintivo ou algo do tipo.

Não acredito mais em entrega, a única coisa que me vem na cabeça é a derrota, derrota para mim mesmo, derrota para o meu sentimental, o fim do eu racional.

Pensar assim me faz mal, mas é o que não sai da minha cabeça. Essa angustia está me torturando. Não existe objetivo que faça esse “mal” sair da minha cabeça, não sei se isso virou obsessão.

Não sei se tudo isso não passa de uma invenção caracterizada no meu subconsciente, porque estava cansado de viver no eu somente. Não sei se tudo isso não passa de uma cisma.

Mas acredito que não, cismado eu fico quando eu quero tirar nota alta em uma prova, ou alcançar um objetivo em algum jogo, mas eu não fico pensando 24 horas nesse intuito, é passageiro. E nesse caso não, é constante.

Só que não vou esperar pra sempre, sendo que já esperei demais. Só estou tentando recuperar o meu eu interior, e “vomitar” tudo isso, jogar no vazio da indiferença, porque eu sei que o jogo está perdido. Não tem mais volta, não tem mais retorno.

O pior de tudo é que nem sei onde perdi, se é que perdi. Só sei que a vida desde sempre vem me mostrando que ela não é lugar bacana. Ela não passa de um lugar sombrio onde os caras legais se dão mal, os babacas se dão bem, e o amor? Bem o amor, quase nunca supera tudo.

Acho que é bom você acordar desse seu conto de fadas, porque a vida é assim, uma bela bosta.


2 comentários:

B. disse...

O sentimento realmente é incontrolável. Por mais que a pessoa seja fria e segura de si, no fundo, um dia ela sentirá. Por mais que seus amigos te falem para esquecer, é você quem está sentindo e não é tão fácil assim. Mas se vc não consegue se livrar disso, e continua aos pedaços, cabe a você tomar uma decisão, que te faça melhorar.

Caroline Luft disse...

Eu até consigo fingir bem, mas no fundo eu sei que não passou e que não superei, que não deixei pra lá, que o que eu sinto não caiu no abismo da indiferença, até aprendi a ficar feliz apenas vendo a outra pessoa feliz, mas é nessas grandes atitudes que me dói tanto e vem a dúvida "o amor não era grande o suficiente para fazer os mesmos esforços por mim?". É difícil sentir.