terça-feira, 27 de novembro de 2012

Cadê o racional?

Eu tentei fugir de toda essa tormenta, achei que era forte o suficiente para esquecer esse sentimento mastigado. Acreditei que poderia fugir, me esconder, fechar as janelas da vida. Achei que era capaz de te esquecer.

Mas infelizmente a vida não é tão bacana para comigo, não sei bem o que fazer, sei que lutar contra não dá mais, pois todo caminho me leva a você. E quanto mais eu tento me afastar, lá vem a sua imagem no meu semblante, na minha mente, no meu coração.

Fiz o suicídio da razão na primeira vez que te conheci. Mesmo eu não sendo a pessoa mais inteligente do mundo, pensando em você eu fico débil, demente, incapaz de usar o raciocínio lógico. Acredito que seja instintivo ou algo do tipo.

Não acredito mais em entrega, a única coisa que me vem na cabeça é a derrota, derrota para mim mesmo, derrota para o meu sentimental, o fim do eu racional.

Pensar assim me faz mal, mas é o que não sai da minha cabeça. Essa angustia está me torturando. Não existe objetivo que faça esse “mal” sair da minha cabeça, não sei se isso virou obsessão.

Não sei se tudo isso não passa de uma invenção caracterizada no meu subconsciente, porque estava cansado de viver no eu somente. Não sei se tudo isso não passa de uma cisma.

Mas acredito que não, cismado eu fico quando eu quero tirar nota alta em uma prova, ou alcançar um objetivo em algum jogo, mas eu não fico pensando 24 horas nesse intuito, é passageiro. E nesse caso não, é constante.

Só que não vou esperar pra sempre, sendo que já esperei demais. Só estou tentando recuperar o meu eu interior, e “vomitar” tudo isso, jogar no vazio da indiferença, porque eu sei que o jogo está perdido. Não tem mais volta, não tem mais retorno.

O pior de tudo é que nem sei onde perdi, se é que perdi. Só sei que a vida desde sempre vem me mostrando que ela não é lugar bacana. Ela não passa de um lugar sombrio onde os caras legais se dão mal, os babacas se dão bem, e o amor? Bem o amor, quase nunca supera tudo.

Acho que é bom você acordar desse seu conto de fadas, porque a vida é assim, uma bela bosta.


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Del Trejo F.C. - Primeiro teste de verdade


Del Trejo F.C. é um time de várzea, pelo qual o fundador sou eu Reinaldo Del Trejo. Fiz uma “catação” de jogadores, montando o elenco unindo amizade, força de vontade e o gosto pelo futebol.

A equipe tem como intuito fortificar a amizade entre os integrantes do grupo além de, é claro, fazer o que mais gostamos, que é jogar futebol.

Ontem foi o segundo torneio do Del Trejo, só que infelizmente a vitória não veio e ficamos nas quarta de finais de um torneio mata-mata.

Passamos da primeira fase por um decepcionante W.O., algumas horas passadas e enfim a equipe poderia demonstrar o seu verdadeiro valor.

Perdemos por 1 x 0 do time que ganhou facilmente de um dos favoritos do torneio. Mas a equipe Del Trejo comandou o jogo, sem deixar espaços, exercendo uma pressão fora do comum nesse concorrido esporte, mas essa pressão não foi revertida em gol na primeira etapa.

No segundo tempo, em um lance isolado, acabamos levando um gol bobo em uma cobrança de escanteio a meia altura, que por ironia, a bola bateu em um dos nossos defensores. A equipe adversária não deu sequer um chute durante todo o jogo.

Todavia, apesar do placar e da desclassificação, a equipe jogou de maneira incisiva, forte e dinâmica. Faltou apenas o gol, mas como diz o velho ditado dos amantes do futebol: “Quem não faz toma”. E nesse quesito, a equipe adversária aproveitou o momento dela e levou a partida por ser mais competente.

Para um inicio de time, com essa formação diferente foi um campeonato incrível, e agora só nos resta treinar muito para que a equipe ganhe entrosamento e melhore taticamente.

A vontade de jogar futebol ontem chegou nos extremos, porque por causa do meu joelho não posso ainda fazer aquilo que me faz mais bem. Fiquei ocupado em fazer a formação da equipe e dar incentivo.

No mais, vi garra e determinação, e valeu de verdade ver o brilho no olho de jogar futebol de todos os integrantes.


A equipe era formada por: Gol: 1-Samuel; Zag: 6 – André Nino, 4 – Paulinho, 3 – Ricardo Bêrola; Mei: 7 – Mateus Henrique, 10 – Jean Carlos, 8 – Marcelo Et; Ata: 9 – José Matheus. Suplentes: 11 – Guilherme, 15 – Célio Roberto e 17 – Felipe Campos.


quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Eu queria que você soubesse

Eu só queria que você soubesse que você é importante para mim, que você é o que eu sempre sonhei, que por ti, eu faria muita coisa que por ninguém eu faria.

Eu só queria que você soubesse que todo dia antes de dormir, mesmo sem ter religião eu peço para qualquer que seja a força divina que lhe proteja. Eu queria que você soubesse que mesmo não te vendo há muito tempo, eu ainda te imagino sorrindo, feliz, olhos fortes e marcantes.

Eu só queria que você soubesse que apesar dos pesares, eu ainda gosto de você. Eu só queria que você soubesse que todas essas palavras são verdadeiras e do fundo do meu peito.

Mas, eu queria que você soubesse que eu quero que você seja feliz. Não importa, onde, como e por que. A ambição já deslocou meus dedos, e saber que você está bem é o suficiente para mim ficar bem.

Eu queria que você soubesse que tu é importante para mim. Bom, escrevo, escrevo e escrevo. Só que na verdade, a única coisa que eu queria é que você soubesse é que eu me importo muito com você.


Verdade escarrada

Um monte de bla bla bla, que não passam de eternas baboseiras momentâneas. Falaram que aquele que faz as coisas com honra, ética e amor, será recompensado. Esqueceram de dizer que isso não passava de uma velha e estraçalhada lenda urbana.

Olhos sombrios e sem brilho, isso é o que resta para aspectos mundanos. Fim de sonhos, frustrações sobre frustrações, é apenas isso que a vida pode propiciar.

Fazer sorrir e ninguém te fazer o mesmo, te fazem chorar, e você sequer revida tal punhalada, te jogam no abismo do fim, e você ainda tem esperança, esperança de que a vida pode um dia quem sabe, lhe trazer algo de bom.

Sorri, mas apenas para não ficar em um choro eterno, porque não quer ser um “coitadista” assim como um dia dr. Cury escreveu. É pisado e não tem força para revidar a malevolência, mas está cansado de apanhar, apanhar e apanhar.

Os lábios já foram mordidos, o sangue escorreu na beira da boca, um gosto amargo, talvez seja o gosto da derrota pessoal, do suicídio antes da morte, do fim trágico, da vista de fora do corpo, da manipulação emocional.

Olhos parados e fixos. Fadados ao fracasso, ao comum, ao sem sabor, a dor, a solidão. Levantou-se da cadeira, porque cansou de apenas reclamar, mas sabe que não tem assim tantos motivos para sorrir.

Queria ser o melhor, mas é apenas mais um, queria ser bom, mas é arrogante como todos, queria ter um amor, mas é iludido como todos, queria viver, mas apenas existe como todo mundo, segue sua vidinha limitada e sem futuro, sem esperança.

Acordou em uma suposta quinta-feira, com os olhos fervendo de ódio, porque não é aquilo que queria ser, nem sabe ao certo o que é. Não sabe se é bom ou ruim, tão pouco capaz de enfrentar as barbáries que essa vida amarga tem a oferecer.

Queria sumir, mas se preocupa com o que os outros vão dizer, com sua faculdade, com sua formação pessoal.

Um dia talvez, ele enfim faça o que sempre quis fazer. Todavia, está morto, está encurralado assim como um dia ele disse que não queria ser.

Meias palavras, um copo de vodka, duas palavras, a sobriedade já foi. Não se importa com os outros, e precisa daquilo para poder viver, porque em um futuro não tão distante ele vai jogar tudo no ar e vai poder viver, ou voltar a tal. Bem, isso eu já não sei.


quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Escrevo tudo o que vivo


Uma garrafa em uma prateleira, um livro velho sobre a mesa, um prato de comida, um sorriso, uma criança brincando com as pombas, o por do sol, a lua, o bosque, o rio, o ar, a felicidade, o amor, a preguiça, o vicio, o desespero, o medo. Tudo isso e muito mais pode ser motivo para um post, para um texto, para um livro.

A vida é repleta de inspirações, tudo tem um significado, nada realmente é por acaso. O acaso é somente uma invenção do ser humano, porque tudo que está acontecendo flui por culpa dos indivíduos. Cada um foi arquiteto de sua história e está ali por suas escolhas.

Caneta na mão, folha de rascunho, sala de informática na faculdade, guardanapo. São inúmeros lugares para serem escritos, vários lugares para eternizar uma pessoa, para deixar uma herança cultural.

Daqui a vinte, trinta anos, talvez eu pare de escrever, talvez eu nem vivo esteja mais. Todavia, um dia eu tive um blog, e com mais de 300 textos, creio que se alguém ler todos tenha uma noção de quem eu seja, de alguns de meus medos, meus sonhos, minhas frustrações, minhas paixões, minhas vivências.

Não sou melhor que ninguém, mas creio que de alguma forma eu tenha me eternizado, porque estou incluso no local de maior acesso do mundo, o mundo virtual.

Famoso eu não sou, talvez eu nunca seja em nível nacional, tão pouco regional. Mas se um dia alguém saber quem é Reinaldo Del Trejo, basta ler esse meu amado blog para se ter uma breve noção. Não total, afinal, sou muito mais complexo do que minha escrita. E lembre-se, vivo tudo o que escrevo, mas não escrevo tudo o que vivo.


terça-feira, 20 de novembro de 2012

Importa o que você é

O passado nos condena? Essa pergunta é frequente na cabeça de muitas pessoas. Existem muitos pensamentos voltados nessa frase, como se o ser humano fosse imutável, incapaz de mudar.

Errar é humano, e ser humano já é estar suscetível ao erro, menosprezar essa característica não passa de uma “bela” e arrogante maneira de mentir. Não existe ser perfeito que acerte em todas as suas escolhas, é impossível estar sempre certo.

O gosto da vida está ai, em poder errar, acertar e aprender com a vivência. Hoje você é assim, é claro que por trás de uma pessoa existe uma formação pessoal que inclui uma família, educação, cultura entre outros pontos. Todavia, o passado é uma mera estatística.

Em cada 2 milhões de decolagens de aviões, apenas um cai. Mas imagine que nesse um esteja seus pais, irmãos, namorada ( o ). Me diga a verdade, para que você usou essa probabilidade tão baixa?

Nesse caso, números podem enganar assim como o passado. Uma pessoa não pode ser julgada pelo que ela foi algum dia, não importa se seja ponto positivo ou negativo. O hoje é a parte mais importante do tempo, não é passado nem o futuro, é o hoje.

O passado está em nossas costas, o presente está em nosso alcance, o que importa é o agora. E o futuro? O futuro é a obra do presente, ninguém sobe uma escadaria sem dar o primeiro passo, ninguém vira médico sem dar a primeira boa lida em um livro de Biologia.

Julgar uma pessoa pelo seu passado é uma mera ilusão, uma forma de condenar, sem absorver o novo, o agora. As pessoas mudam, somos mutáveis. O meu eu de hoje não é o mesmo de ontem, nem o de amanhã. Fazendo uma analogia, poderíamos colocar nossos atos como uma caneta permanente e nossa vida o quadro.

Tudo que fizermos vai estar nesse quadro, com o tempo nossos atos vão apagando, mas quanto mais sombrio e escuro for a “escrita”, mais difícil de ser apagado ela se torna.

Esse é o preço de ter atitudes nebulosas, a tinta se torna negra e ruim de ser tirada. Afinal, nossa sociedade é tão barbara, que parece prestar atenção apenas nos defeitos, ninguém elogia, e nesse jogo de querer o mal alheio, vamos vivendo nesse mundo sombrio, onde a resposta de qualquer coisa fica cada vez mais inacessível.

Então deveríamos esquecer o passado de uma pessoa? Bom, ai já é demais, é claro que temos que analisar o conteúdo atual de cada humano. Mas, assim como estatística, o passado serve para nos darmos uma noção do que é mais provável de acontecer. E assumir esses números é por conta e risco de cada um.

Mas caso a pessoa demonstre que recuperou a dignidade mesmo depois de um passado obscuro, creio que não tenha o porque de não lhe dar uma nova chance.

Porque não importa o que você foi, o que realmente importa é o que você é atualmente.


sábado, 17 de novembro de 2012

Uma época em que eu acordava para brincar

Uma Sexta-Feira qualquer, fui em uma festa da família depois da formatura de minha prima na chácara de meu tio, um lugar arejado, bacana, espaçoso. No momento em que subi a escadaria da praça central de festas em direção da casa, um turbilhão de lembranças veio à tona, meu cérebro começou a amarrar de tantas memórias passadas.

A cada passo dado, uma nova imagem, uma nova jornada. Lembro de quando eu, meus irmãos, meus primos e primas andávamos de carrinho em volta da casa, era uma corrida irresponsável e totalmente maluca. Mais adiante comecei a me lembrar das mesmas voltas entorno da morada, só que nessa época os carrinhos foram trocados por patinetes de metal, todavia, a “loucura” e inconsequência eram as mesmas.

Lembro também de um curral corado de tinta vermelha, pelo qual diziam que não poderíamos encostar, pois manchava muito a roupa. Só que era difícil eu não sair todo vermelho de lá. Além do episódio II de Star Wars que era para passar no SBT e não passou, karaokê, andanças de cavalo, brincadeiras de esconde-esconde, balança caixão. Lembranças confusas, o tempo parecia ser todo embolado, tudo parecia uma coisa só. E na verdade era, estava tudo na minha memória, na minha vivência.

Comecei a me questionar, o porquê de eu ter aquela sensação apenas naquele lugar, por que isso? Milhares de sensações, o passado estampado no meu presente, o ontem se fundiu com o hoje, e me restam apenas lembranças, ótimas lembranças.

Antes que eu pudesse pensar qualquer coisa, lá veio minha prima, e como dizia o cantor de belas músicas sertanejas de raiz: “Lá vem a doutora”. Observei, vi um semblante feliz, que lutou por aquela conquista de graduação e sorri também.

Sorri por ela e por mim também, porque eu sei que eu já fui feliz, em um passado nem tão distante, afinal, tenho apenas 18 anos, completarei 19 daqui alguns dias, mas o que importa é que eu já desfrutei da felicidade, em uma época em que eu sorria apenas por sorrir, brincava apenas por brincar. Tinha o coração puro, sem malicias, sem anseios capitalistas, tão pouco desejos carnais. Era apenas um menino de cabelos encaracolados que queria acordar mais um dia para brincar, apenas brincar, e ser feliz, é claro.


quarta-feira, 14 de novembro de 2012

São sete e meia da manhã


São 7 e meia da manhã
Já não é mais novidade, eu perdi o busão de novo.
Mas a verdade é que eu tava deitado na cama,
Sem vontade de acordar, abraçando meu belo travesseiro.

Nem banho deu tempo de tomar, tão pouco café.
E no caminho para o ponto me bateu uma preguiça.
É só mais um motivo para eu me atrasar,
Entrar em desespero, lembrar que faltei semana passada.

O coração no peito bate acelerado.
Pedindo socorro, tá desesperado.
Eu sinto medo de voltar pra casa,
Pai, você precisa me levar para a faculdade.

Me diz moleque: “Porque você não acorda logo’?
Vamos logo Pai, já passou a hora da aula começar.
Confesso, tenho medo de pegar exame em Microbiologia.
Eu tirei 5,5 no primeiro bimestre, foda é recuperar com duas aulas ausente.

Se eu pudesse, iria voando para aula.
Daria mil motivos para o professor me ajudar a passar.
Que eu ainda tenho salvação, e meu grande engano.
Foi dormir demais.

Por Reinaldo Del Trejo.


sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Se defendendo

Ele: Oi!

Ela: Oi.

Ele: Tudo bem?

Ela: Tudo.

Ele: Você estava doente ontem né, por isso faltou na aula, você já está melhor? Fiquei preocupado.

Ela: Estou bem.

O jovem, 15 anos, ideias complexas, ideais impostos, uma pessoa honrosa, digna, percebeu que estava sendo ignorado, tratado com indiferença, no momento ficou cabisbaixo, sem saber o que fazer, os olhos dele secaram, olhou que mesmo tentando ser uma pessoa boa, ainda existem seres humanos hipócritas que só pensam em si.

Ele se levantou da poltrona, saiu do computador, olhou o por do sol, lindo e alaranjado, sorriu e pensou como estava sendo idiota em se importar com isso, ou melhor, em se sentir mal com isso.

No momento, ele pensou em xingar, em extravasar, mas chegou na melhor conclusão, dentro de seu consciente, a partir daquele dia ele iria apertar a tecla do FODA-SE com todas as pessoas que lhe tratarem com indiferença, sem ligar para elas, porque ele enjoou de ser o idiota, o tapado.

Existe um livro repleto de regras, que se chama “Código de Hamurabi”, esse código diz que tudo que alguém fazer deve ser retribuído à altura. Um ladrão perde o dedo, um estuprador perde seu pênis e assim por diante. Confesso que tenho que estudar mais sobre o código, logo eu postarei algo a respeito.

Mas enfim, esse código pode ser colocado no dia-a-dia, mas não quero dizer, que temos que dar uma de Frank Castle e sair matando todo mundo, quero dizer que se uma pessoa te nega um sorriso, você não lhe dá uma ajuda, se ela te humilha, você a ignora pela eternidade, e se lhe trata com indiferença, você lhe fornece um ar tão vago quanto um nada.

O complicado é que algumas vezes, as pessoas acham que isso é procurar briga, mas não, isso não é procurar encrenca e sim a procura do inverso, essa é a busca da paz. E lembre-se, paz não é a ausência de conflitos, e sim quando a justiça prevalece.

A justiça civil é falha, a divina é tardia, se é que realmente existe. Então o que fazer? Chorar? Ser um coitadinho? Não, não, dá para se proteger, mostrar as unhas e dentes, mostrar que você não é um ser indefeso, e sabe se proteger contra as barbáries humanas.


quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Já não é o mesmo


De tempos em tempos, a brisa vai bater em seu coração, você vai acabar sentindo saudade, vontade de estar perto.

Mas infelizmente o tempo já foi, o sentimento de ontem não é o mesmo de hoje.


quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Moralistas.com

O engraçado é que hoje em dia existem muitos críticos online. Criticam, criticam e criticam.

Sentados na frente de um computador, com a bunda suada de não fazer nada. Observam uma criança passando fome, editam uma merda de uma foto, escrevem frases bonitinhas de Caio Fernando de Abreu ou Clarice Lispector.

Acham que são heróis da nação, ficam sentados esperando um curtir ou quem sabe um compartilhar.

Esses mesmos “heróis” quando tiverem uma chance de mostrar sua honra, colocarão o rabo entre as pernas e abaixarão a cabeça. Quando puderem ouvir uma angustia de um ser humano, estarão se submetendo ao nada, ao “não é meu dever”.

Esses “moralistas” quando tiverem uma chance de salvar uma pessoa, irão se esconder, terão medo.

Não os culpo por ter medo, afinal, somos humanos. Os culpo por se acharem grandiosos, de usarem palavras categóricas e não fazerem nada. De teoria em teoria o mundo morreu, de palavra em palavra o respeito foi embora.

Eu posso escrever o que for, muitas vezes tenho um tom arrogante e prepotente. Só que eu tenho ciência de minhas limitações, e tudo o que eu digo/escrevo eu sei que posso fazer, ou melhor, eu faço. Você nunca vai ver uma escrita minha do tipo: “Salve os mendigos”, porque eu sei que não posso fazer muita coisa em relação a isso.

Muitas pessoas se dizem “santos”, porque é muito fácil escrever do conforto do seu lar um “ajude a África” e ignorando o ser humano do seu lado. Sim, porque para mim é o mesmo tipo de babaquice, um moralismo falso, um moralismo morto.

Palavras covardes são compartilhadas, e as atitudes? Bom, atitude eu vou deixar para o outro não é mesmo?

De tanto ler falsidade ideológica, já me deu nos nervos. Já me encheu ver gente que sabe escrever, mas não sabe fazer.

Lembre-se, palavras são eternar, o que você escreve aqui tu pode apagar, mas ficará para sempre na memória de quem leu, estará solto no universo.

Agora, antes de compartilhar ou escrever qualquer coisa, pense se você é capaz de efetuar tal ato, e se não for, se respeite, não jogue palavras fora. Não quero que você seja um herói, e sim uma pessoa digna.


terça-feira, 6 de novembro de 2012

Sou um cachorro perseguindo carros

Você já assistiu “Batman, o cavaleiro das trevas”? Se a resposta é sim, provavelmente você se lembra da frase do Coringa, que foi interpretado de forma primordial por Heath Ledger, que infelizmente veio a óbito alguns meses depois, prematuramente aos 27 anos. A frase dizia: “Sou um cachorro perseguindo carros. Eu não saberia o que fazer se alcançasse um.”

Depois da primeira vez que assisti ao filme, isso no começo de 2009, não tinha prestado muito atenção nessa frase, até que outro dia estava conversando com um amigo meu e passei a refletir, e consegui interpretar esse imponente jogo de palavras.

“Sou um cachorro perseguindo carros”. Nesse trecho, os carros podem ser qualquer coisa que eu ou você queremos tanto. Por exemplo, uma pessoa solitária procura a presença de amigos, já alguém triste procura um amor, assim como um jovem busca seu sonho, e assim por diante.

A nossa vida é feita de objetivos, a cada dia que acordamos queremos fazer esse novo passar de datas valer a pena, infelizmente, muitas vezes esses dias não passam de acontecimentos monótonos e sem sentido, sem vibração.

A vida é totalmente diferente do que disseram que ela ia ser, não temos espadas, não temos guerras, não temos amores duradouros, a única coisa que temos é uma vidinha pífia, onde o nosso maior objetivo é nos mantermos vivos.

“Nasce, cresce, reproduz e morre”, era assim que minha professora de Biologia da quinta série falava como era o ciclo vital, pobre mulher ingênua, esqueceu do “ganhar dinheiro”, eu creio que contemporaneamente o ciclo vital viria a ser: “Nasce, cresce, ganha dinheiro, reproduz e morre”. E fim, a vida acabou, já era, já foi. É triste falar dessa maneira, e acabar com o conto de fadas que existe dentro do coraçãozinho ingênuo dentro de cada ser humano.

E o amor? E a amizade? Bom, agora a conversa fica um pouco mais complexa. Todavia, o ser humano é feito a partir de problemas, muitas vezes não sabemos como nos portar diante da prosperidade, procuramos e achamos os problemas. Ninguém consegue seguir a filosofia de “Ser um idiota” que Ailin Aleixo escreveu certa vez, ninguém consegue aproveitar a brisa do vento, queremos porque queremos algo para sancionar, porque nessa ideia mundana de salvador da pátria, acabamos nos confortando em sermos solucionadores de impasses.

Acha que isso é pura ladainha? Então me diga o porque de você estar apaixonado pela pessoa que nunca quis nada com você? Ou no máximo quis te estacionar na Friedzone, você é o que? Masoquista? Me diz porque não dar valor em quem te dá valor? Eu te respondo meu caro, queremos ampliar nossos horizontes, queremos o intangível, ou melhor, o dificil.

Quando Bob Kane criou um vilão sarcástico e maluco para confrontar o Batman, talvez ele não tinha ideia de que esse “lunático” poderia interpretar uma frase tão verdadeira, porque no fim, todos temos um pouco de Coringa, todos queremos ver o “Circo pegar Fogo”, e além disso, todos ficamos sem reação quando alcançamos o carro, sonho, objetivo, amor, ou seja o que for.

Meu nome é Totó, sou um cachorro vira-latas, corri a vida inteira atrás de um Gol geração 3, sempre achei ele lindo, até que certa vez o carro estava devagar e ele parou, e então consegui alcançar o meu objetivo, quando vi aquele meu “sonho” parado na minha frente, fiquei feliz e satisfeito, até que me bateu um sentimento esquisito, como se eu não soubesse o que fazer, e então eu me sentei.

Parei, olhei, resolvi urinar no pneu para mostrar que aquele golzinho era meu, mas não tinha nada de especial naquilo. E do nada me veio uma bela ideia, resolvi morder o para choque, porque eu queria muito saborear o meu “sonho”.

Os dias passaram, aquele carro não saia dali, tão pouco eu, já que era a minha conquista, e eu não a deixaria de maneira alguma. Fiquei triste porque não tinha mais nenhum objetivo em mente, estava vazio, sem uma resposta para a vida.

Até que no final da rua, lá estava o “salvador da pátria”, um carro reluzente, lindo, prata, era um Santana e passou a milhão, fiquei feliz e disposto a chegar naquele Santana, e fazer ele ser o meu carro.

E quando eu o alcançar? Bem, ai eu não sei, já que enjoei de comer o para choque do Gol, agora eu quero algo novo para me renovar.

Porque eu sou assim, e você também é, com toda a certeza. Não sabemos o que fazer quando alcançamos o “carro”.


quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Assuntos importantes para o Enem


Bom, galera, o ENEM ta ai, e como os dois anos atrás, deixei para os últimos dias para dar uma olhada na matéria ( por isso, só me lasco haha ), estava pesquisando os principais temas e alguns conceitos que devem estar na ponta do lápis ( caneta ) na hora de fazer a prova.

Espero que ajudem vocês de alguma forma, e seguem os assuntos:

Acidente na usina Nuclear de Fukushima: :Acidente nuclear mais grave desde Chernobyl. Aconteceu na cidade de Fukushima no Japão logo depois de um terremoto e um tsunami, os reatores da usina nuclear foram afetados e houve vazamento de substâncias radioativas. O maior problema desse tipo de acidente é a radiação, que pode alcançar centenas de quilômetros, deixando o solo com vestígios radioativos por séculos.

Novo Código Florestal :Em dezembro de 2011 foi aprovado o novo código florestal, que diminui as faixas de preservação que são chamadas de APPs ( Áreas de Preservação Permanente ), o código virou polêmica, e para muitos ativistas, ele um retrocesso em questões ambientais, é importante saber ao menos do que se trata esse novo código.

Rio+20 : A Rio+20 foi uma Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento sustentável realizada entre 13 e 22 de junho na cidade do Rio de Janeiro, ela foi uma reunião com o intuito de destacar como o mundo pode crescer econômico e socialmente sem prejudicar o meio ambiente. Escrevi um post sobre a Rio +20 esses dias, segue em “Rio+20 precisa ser mais do que uma reunião.

A força da Internet :Um tema que pode ser pedido no ENEM é a força de união que a internet vem causando nos últimos anos. Ditadores como o tunisiano Zine El Albidine e o egípcio Hosni Mubarak foram depostos por golpes que foram organizados na rede. O tema internet foi abordado na redação do ano passado, é provável que não caia na redação, mas é bom ter uma noção desse tema.

Crise Europeia : A crise europeia é um tema que com certeza irá cair em alguma questão. É importante que você saiba que ela começou desde a crise de 2008, que foi um abalo em toda a economia mundial, a crise de 2008 ocorreu por conta de um abalo na economia estadunidense que aconteceu por um desnível no crédito dos consumidores. Basicamente havia muitos empréstimos sem um controle grande, o que acarretou rombos nos cofres bancários.
Voltando a falar da crise europeia, pode-se dizer que ela aconteceu por vários motivos, entre eles: Muitos servidores públicos com salários astronômicos, muitos aposentados que geraram pouca mão de obra, entre outros. O País mais afetado foi a Grécia, seguido de Portugal e Irlanda.
É importante ressaltar que Alemanha e França vem desde 2009 tentando reequilibrar a economia, mas como sabemos, sem grandes sucessos.

Trinta anos das guerras das Malvinas: A guerra das Malvinas foi um conflito armado entre Argentina e Grã-Bretanha acontecido em 1982. Desde 1883 a ilha das Malvinas é dominada pelos britânicos.
No ano de 82, o ditador argentino Leopoldo Galtieri resolveu invadir a ilha que fica à cerca de 500 km do país, os argentinos acabaram dominando a capital da ilha. Os britânicos em contrapartida enviaram um exército com cerca de 28 mil soldados, e expulsaram os argentinos em menos de dois meses. Margareth Thatcher era a atual primeira-ministra da Grã-Bretanha.
Cristina Kirchner, atual presidente da Argentina foi nesse ano reclamar com a ONU sobre a predominância da ilha, esse protesto pode ter gerado uma tensão entre as duas nações. Esse questionamento da atual líder de estado aliado com o aniversário da guerra das Malvinas pode ser um prato cheio em questões de atualidades.

Efeito Estufa: O efeito estufa é um processo que ocorre quando uma parte da radiação infravermelha emitida pela superfície terrestre é absorvida por determinados gases presentes na atmosfera. Como consequência disso, o calor fica retido, não sendo liberado para o espaço. O efeito estufa dentro de uma determinada faixa é de vital importância pois, sem ele, a vida como a conhecemos não poderia existir. Ele serve para manter o planeta aquecido, e assim, garantir a manutenção da vida.

Chuva Ácida :Ela é causada pela emissão de gases a partir da queima de combustíveis fosseis. Ela pode acarretar acidificação de rios e lagos, impossibilitando assim a vida neles, além de prejudicar o solo e pode, em casos extremos, ocasionar doenças pulmonares nos seres humanos.


Vou dar mais uma estudada, e caso eu me aprofunde mais, estarei postando mais coisas aqui, espero que ajudem vocês em algo, grande abraço!