sábado, 11 de agosto de 2012

Djà Vu


Estava sentado no ponto de ônibus depois de uma aula de Microbiologia, era sexta-feira, estava muito cansado, comecei a mexer em meu celular e ver as mensagens antigas, até que uma mulher de cerca de uns trinta anos se aproximou com um vestido roxo até seu joelho, naquele momento senti minha imaginação voando longe, como se tudo aquilo já tivesse acontecido. Sorri e disse “To tendo um Djà vu”.

Do francês “Já visto”, Djà vu é uma reação que acontece em nosso psicológico, em que sentimos a impressão “real” de aquele momento já aconteceu.

Nossa memória às vezes tem algumas falhas, e no Dja vu ela simplesmente não consegue distinguir o fato que acabou de acontecer de um fato que aconteceu à algum tempo, dando uma sensação estranha de já termos consumido aquele evento.

Muitas pessoas acreditam que quando estão tendo um Djà vu, elas podem prever o que irá acontecer em seguida, de certa forma elas estão certas. Como no meu exemplo, a mulher de roxo se aproximou e ficou em pé do lado do ponto, eu tinha a certeza que ela iria se sentar no banco, e assim ela fez. Depois disso parecia que estava vendo um filme, onde eu entraria no ônibus e estaria lá o motorista com cerca de trinta e cinco anos, aparência hispânica e barba mal cortada, com a mesma cobradora de sempre, e foi isso que aconteceu.

Mas peraí, Djà vu é um tipo de Premonição então? É claro que não. O nosso cérebro é uma máquina quase perfeita, e de alguma forma, no meu caso, ele conseguiu distinguir o horário das nove e meia com o motorista e a cobradora, a partir da estatística, sendo que em linhas de transporte coletivos, costumam serem os mesmos profissionais. Apesar de ser uma sensação muito maluca, o Djà vu tem suas explicações.


Como ter vários Djà vus?

Para se ter vários Djà vus é necessário ter um vasto conhecimento e experiências de locais “parecidos”. Como exemplo, se você viaja muito e tem uma rotina praticamente desordenada, o seu cérebro terá contato com vários locais considerados parecidos, como os terminais rodoviários e aeroportos.

Em todo terminal tem aquela escada para o embarque, o barzinho para tomarmos o café, os mendigos, é tudo parecido. Então a nossa sensação de já tivermos passado por lá será constante.

Quanto mais aberto socialmente, culturalmente e religiosamente também aumenta as chances de terem Djà vus, já que isso liberará uma ideia de “estranheza” maior sobre diversos locais.

Outra maneira de liberar os Djà vus é usar produtos quimicamente alterados ( drogas ), sendo que a alucinação pode ocasionar diversos Djà vus seguidos. Lembrando que isso não é aconselhável e o Blog “Mente Aberta” não está incentivando o uso de drogas e sim destacando que o uso dessas substancias podem ocasionar uma confusão cerebral e sucessivamente vários Djà vus.


Como aproveitar os Djà vus?

Aproveitar o Djà vu não é uma tarefa lá das mais fáceis. Já que eles duram cerca de dois, no máximo três minutos.

A melhor técnica é aproveitar o momento e tentar prever ao máximo o que vai acontecer, estimulando assim o cérebro a acompanhar o seu raciocínio.

É muito legal os momentos de Djà vus, só que temos que ter ciência de que ainda não foi comprovado nada paranormal. Ok?

Mesmo tendo muita coisa estranha perambulando o nosso mundo, como o tema abaixo.


Júlio Rasec pressentindo o desastre aéreo

Antes de cair o avião de uma das maiores bandas nacionais de todos os tempos, os Mamonas Assassinas, Júlio Rasec, então tecladista dos Mamonas disse: "Esta noite eu sonhei com um negócio assim: parecia que o avião caía".

E o fato foi consumado...Isso foi premonição? Intuição? O que foi isso? Apenas um sonho catastrófico que veio pelo o acaso?

Existem muitos fatos do tipo, em que antes de morrer, sentimos que aquele é nosso ultimo dia. Vou escrever mais pra frente sobre isso, mas confesso que fico com receio e medo de escrever sobre tais assuntos.

Só postei esse vídeo com o intuito de divulgar que ainda existe muito mistério sobre tudo. E apesar de tentar desvendar vários segredos, eu Reinaldo, sei que ainda tem muita coisa oculta.


A explicação mais categórica sobre o Djà vu

Até hoje a explicação mais interessante sobre o que é o Djà vu foi a de Trinity ( Carrie – Anne Moss ) em que, respondendo a Neo ( Keane Reaves ) sobre o Djà vu disse:

– Um déjà vu é uma falha da Matrix, Neo. Acontece quando estão consertando alguma coisa...

Até que me provem muita coisa, ainda “acredito” que essa seja a melhor resposta.

2 comentários:

Bia Muniz disse...

Passando pra conhecer o Blog

B. disse...

Super interessante o assunto, caro Del Trejo. Acho que poucos blogs o abordam (pelo menos, dos que eu já vi). Mas enfim, eu também tive e tenho vários Djà Vu's. E realmente é uma sensação INCRÍVEL. Você parece se sentir o dono da verdade e deseja que aquilo aconteça mais vezes. É fantástico você saber o que vai acontecer, por alguns minutos. Como você disse, é a sensação de premonição mesmo. Eu sempre tive curiosidade em saber o 'porquê' de tal fato acontecer, contudo, nunca pesquisei sobre. E ao ver os seus argumentos e as fontes que encontrou, eu fico ainda mais intrigada a estudar o Djà Vu. É claro que tem uma resposta, mas nada consumado ainda. Em relação ao que disse sobre os lugares 'parecidos' e 'prováveis', eu acredito nessa teoria, pois a nossa mente faz uma livre associação de ideias, através da memória perceptiva. Enfim, este assunto será muito focalizado no curso de Psicologia e espero poder descobrir o 'mistério' e compartilhar contigo, haha.
Lembro que certa vez, estava assistindo uma homenagem aos Mamonas e destacaram o que você disse também. Fiquei fascinada e pensando por muitos dias, em como aquilo podia ocorrer. No entanto, nem tudo possui explicações. É complicado. Talvez vá além de nosso racional, não sei.
Só acho que um dia descobriremos, mesmo que demore anos, ou que não seja no nosso mundo 'real'.
Ótima dissertação!