terça-feira, 10 de julho de 2012

Sistema Público (Podre) de Saúde Brasileiro

A comerciante Juliana Martins, 50 anos, foi levada às pressas no Hospital da Alvorada com sintomas de traumatismo craniano, fratura exposta no joelho esquerdo e esmagamentos nos rins. Tudo isso ocasionado por um atropelamento na capital de São Paulo.

Acidentes assim são comuns em todo o Brasil, e infelizmente vários casos estão tendo o mesmo final trágico. Quando Juliana entrou na fila de espera no hospital, foi constatado que ela não tinha plano de saúde e logo, teria que ser atendida pelo SUS ( Sistema Único de Saúde), naquele momento não tinha nenhum leito, e então começaria o maior drama dessa senhora, drama esse que acarretou o seu óbito.

Os médicos e enfermeiros tentaram arranjar algum leito ou sala de cirurgia, e até ligaram para cerca de dez hospitais da região metropolitana, mas nenhum tinha uma vaga para essa senhora ser atendida

. Juliana sofreu esse acidente às cerca de 16:00 hrs, a ambulância chegou logo e ela deu entrada ao Hospital pelas 16:45hrs. Uma vaga para cirurgia emergencial não foi arranjada, e então ela faleceu cerca de 22:00hrs, sendo que ela ficou mais de cinco horas para esperar um atendimento considerado emergencial.

Ela faleceu na fila do hospital, jogando no lixo todo um artigo da constituição brasileira que diz que “Todos brasileiros tem direito a um sistema de saúde digno”.

Então eu gostaria de saber onde está esse nosso direito? E o Brasil vai ter que ver mais quantos casos desses para alguém tomar alguma providência?

O Sistema Único de Saúde foi criado no ano de 1988 com o intuito de prestar procedimentos médicos para toda a população de forma gratuita, sem prestação de nenhuma taxa ou coisa do tipo. Só que quando falamos em serviço gratuito, acabamos esquecendo que somos o 14º país que mais cobra impostos, e o que é revertido pra nós?

Uma educação pública podre, um sistema de saúde público podre, saneamento podre, meios de transporte podres e muita coisa podre.

Só que o direito a uma saúde básica é essencial, é básico do básico. E o que vemos é uma lástima. Pessoas morrendo de hemorragias banais, de contusões leves.

Para mudar esse quesito é necessário fazer uma redemocratização em todo o sistema de saúde, deveria primeiramente ser aumentado o número de faculdades de medicina, sejam públicas ou particulares.

Muitas pessoas acabam reclamando de “Médicos Mercenários” e coisa do tipo, mas se esquecem o quanto esses profissionais penam para dobrar a carga horária, atender 3 vezes mais do que é comum. A culpa não é dos Médicos.

As infraestruturas de hospitais deveriam ser aumentadas, dobradas e quem sabe até triplicadas. Investir em saúde não é algo desastroso, sendo que um país cresce muito mais com profissionais saudáveis.

O governo deveria investir em saúde, e parar de jogar o dinheiro público pela privada. Temos que esquecer eventos grandiosos e começar a pensar na base desse país.

Copa do Mundo? Olímpiadas? Seria lindo, eu amo futebol e esportes. Só que existe muita coisa mais importante do que esse tipo de evento, e se o governo não investe no povo, vai investir no que?

Muitas perguntas rondam minha cabeça quando o assunto é criticar o governo, eu confesso que odeio política porque eu “abro a boca e fecho os olhos”, e quando o homem faz isso, seus freios se perdem.

Sabe de quem que eu acho que é uma boa parcela de culpa sobre esse meio de saúde fudido?

É minha, é sua, é nossa . Porque fomos nós que elegemos essa cúpula política nojenta, e mais do que isso. Nós somos acomodados e não fazemos valer o nosso direito.

Poderíamos parar o país, em uma greve nacional. Porque afinal, como podemos nos arriscar no dia-a-dia, sendo que podemos se fuder e morrermos na fila de espera por, seilá, um dedo quebrado.

O povo brasileiro tem que ser mais unido, e começar a entender que a vida é muito maior que coisas superficiais, triviais. Temos que lutar por nossos direitos, porque senão, nada vai mudar, e sempre, tudo, vai continuar a grande merda que é.

Pense um pouco nisso.

Um comentário:

KGeo disse...

bom post, esse negocio só resolve se a pessoa parar de reclamar e realmente fazer alguma coisa.