quarta-feira, 11 de julho de 2012

Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo ( M.M.D.C)

No dia 23 de maio de 1932, Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo foram mortos pelas tropas federais por um confronto onde eles lutavam pelo direito de uma constituição, pelo fim da ditadura.

Morreram lutando pelo direito humano, por uma nova constituição, tinham ideais. Queriam algo novo, melhor, mais estruturado e não a independência paulista como o governo federal queria colocar na cabeça do restante dos brasileiros.

Historiadores acharam o diário de Miragaia e lá encontraram os seguintes escritos na capa do mesmo: “Dulce et decorum est pro patria mori” ( Do latim: É doce e honrado morrer pela pátria).

Então Miragaia sempre soube que seu destino era morrer por algo? Não sei bem explicar, é dificil exaltar algo do tipo. Só que ele tinha ideiais, e hoje, não importa se você é paulista, carioca, gaucho, paranaense ou seja lá o que for.

Devemos muito à esses estudantes, não só ao “M.M.D.C”, mas toda a classe que lutou por uma constituição. E a conseguiu.

São Paulo perdeu a guerra, mas ganhou na politica. Essa é a frase mais marcante. Só que esse Post não é destinado à Revolução Constitucionalista ( O de Sexta será) e sim sobre o M.M.D.C.

Afinal, o que é o M.M.D.C?

O Brasil vivia em intensa crise politica, onde não existia uma verdadeira constituição. E o governo poderia assim fazer o que lhe viesse na telha, não importando meios legais ou judiciais.

A partir disso, alguns estudiosos na cidade de São Paulo começaram a se movimentar e queriam o fim disso. Sendo que o país não poderia ficar preso na mão da entidade maior.

Então várias pequenos protextos começaram a surgir, e sempre eram reprimidos pelo regime, muitos eram espacandos e presos. E eram “convidados” a mudar de ideias, caso contrário alguns acidentes ocorreriam com suas famílias ( era dessa forma “gentil” que a ditadura agia).

Até que um grupo de jovens resolveram tentar invadir a “Liga Revolucionária”, e foram alvejados. Três morreram no local, e o outro veio a óbito alguns dias depois.

Eram eles: Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo ( M.M.D.C ). Depois desse ocorrido, vários paulistas começaram a se tumultuar, os tumultos se tornaram protextos, e várias guerrilhas se formaram.

Até que praticamente todos os paulistas da época eram favoráveis a uma Constituição.

Ao fim da opressão, a um limite, a algo.

Depois de várias disputas, ocorreu a Revolução Constitucionalista, que vou destacar na Sexta-Feira.

Mas nesse momento, eu enfatizo o meu orgulho de ser paulista. E abaixo a cabeça para todos aqueles que lutaram por um país melhor, mais justo.

E vejo o quão humano e “conformista” eu sou, e digo mais. Precisamos de pessoas que lutam pelo país, e não pessoas como eu, que escrevem.

Queremos atitude Porra! Porque palavras qualquer um apaga. Temos que lutar por nossa pátria. Por um país mais justo, por uma educação melhor, pelo fim da criminalidade, por uma saúde digna e vários outros quesitos básicos que nosso país precisa.

Só que agora, eu simplesmente agradeço. Obrigado Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo. Viva o M.M.D.C.

3 comentários:

palavras ao vento disse...

interessante,,,,não conhecia a storia deles...afinal só lembramos de pessoas que fizeram storia...pq e feriado;;;;se não...afinal até poco tempo atrás não era feriado...

Guru do Metal disse...

não tem como mudar o brasil

Normal disse...

Onde ficava essa liga revolucionária onde se deu o confronto com os jovens assassinados ?