quarta-feira, 6 de junho de 2012

Amor Verdadeiro

Hoje acordei, sentei em minha mesa na minha casa na beira de um lindo bosque, fiz o meu café que eu estou acostumado a fazer, comecei a olhar para o centro da mesa, até que uma linda mulher se sentou em minha frente, morena, cerca de 1,70 de altura, olhos cor de mel, pele branca, magra, mas não demais, era “perfeita” fisicamente.

Ela começou a falar coisas incríveis, reflexões sobre o mundo, política, desprendimentos religiosos, sonhos, anseios, medos e tudo que me fez sorrir e não ter exatamente nada o que falar.

Olhei para a minha caneca escrita “Eu Te Amo”, e sorri, aqueles olhos quase amarelos estavam me fazendo ter um sonho longe do meu alcance, me levantei, me dirigi até aquela linda mulher, que nem seu nome eu sabia, e então passei a mão em seus cabelos negros e afastei para trás das orelhas, fechei os olhos e apenas senti...

Senti umas lambidas que me deram um arrepio na espinha, me senti extremamente bem, e senti até que enfim a definição do amor poxa.

O que eu tanto procurei, só que.

Era o Odín me lambendo, meu cachorro negro, lindo, imponente, companheiro, amigo.

Muitas vezes, procuramos, inventamos o amor, e ele pode estar nos lugares mais comuns de nossa vivencia, em nosso lar, nossa família, nossos animais de estimação.

Eu tenho o amor, só que sou cego, e prefiro mergulhar em um mar de sombria, onde eu sempre serei o “coitadista”, sem reação.

Cachorros são seres “angelicais”, são puros, companheiros. Eu citei o Odín aqui porque ele, assim como meu falecido Billy, é um grande amigo meu.

Aproveitando o momento, vou ressaltar que ele sofreu uma operação hoje, já que ele foi atropelado e fraturou totalmente a bacia, só que felizmente a operação foi um sucesso.

Agora a fase de fisioterapia vai ser em casa, sim, daqui três ou quatro dias, ele virá para casa, e eu, meus irmãos e meus pais trataremos dele e ele voltará a correr com liberdade, com alegria.

Odín. Eu rezo por você, e isso é difícil para mim, uma pessoa que sequer Religião tem, só que espero de coração que você se recupere, ou melhor, espero o caralho, vou fazer sua recuperação ser um sucesso.

Grande Odín, você vai honrar seu nome, ó grande Deus dos Deuses.

Espero que meu primeiro termo de veterinária quase acabado sirva de alguma coisa.

É isso gente, grande abraço.

5 comentários:

Tauã Soares disse...

muito bom o seu blog!

Luan dos Santos disse...

Belo texto sobre o amor!

E que de tudo certo para o Odin, ele é lindo!

/Rezoporeletambem

Cáah Lima disse...

Muito lindo vc citar esses amores verdadeiros. E um cachorro com certeza é um grande exemplo!
http://oicarolina.wordpress.com/

B. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
B. disse...

Falou tudo, Sr. Del Trejo. As pessoas tem mania de generalizar o amor, só como aquele entre casais, o que eu, particularmente, acho uma 'fantasia'. O amor de verdade mesmo, está nas pequenas coisas, nas pessoas que nunca te desamparam, naqueles que estão ao seu lado, sejam humanos ou não. Confesso que quando comecei a ler o texto, pensei que ia entrar no seu velho assunto, mas fui surpreendida positivamente e me deparei com a sabedoria do meu amigo, haha *-* Saudade!