quarta-feira, 16 de maio de 2012

Olhos superficiais

João Felipe acordou em uma terça-feira, meio de semana, era 6 e meia da manhã, sua mãe lhe chamava “Acorda Meu filho, você precisa ir pra faculdade”.
O jovem de 19 anos, calouro de medicina, acabou escolhendo esse curso pelo retorno financeiro, não tinha mais disposição para se levantar, mas mesmo assim era uma pessoa que tratava todos em seu redor bem, sorria sempre que possível.
Chegou no calçadão da faculdade, não fez a barba, sequer penteou o cabelo, notas ralas, falta de disposição, enquanto estava ouvindo o que os professores falavam, pensava o que escrever no blog ou até mesmo no que fazer quando chegar em casa.
Até que chegou a tal da Barbara, única pessoa em toda a sala que conhecia Felipe de verdade, ela viu o garoto meio desolado, só que quando ela chegou perto, ele sorriu e conversou normalmente, e perguntou, olhando em seus olhos castanhos claros:
_Que foi João?
_Nada não, Barbara, dormi pouco, só isso. _respondeu sem firmeza alguma.
_Vejo em seus olhos que você não está bem...O que ta acontecendo?_Insistiu a menina.
João Felipe observou aquela garota, que realmente o conhecia, ficou meio constrangido porque não sabia o que responder, apenas sorriu como sempre fez.
Mas agora era diferente, pois aquela garota de cabelos negros aniquilou o sorriso superficial e embarcou no fundo dos olhos do garoto que ficou totalmente sem jeito, sem reação.
Ele deu um abraço em Barbara e disse que tinha que ir embora, pois estava sem cabeça para estudar, e tinha que ir pra casa, pensar um pouco sobre a vida.
Chegou em casa, se deitou em sua cama, e sonhou, sonhou quando tinha 13 anos e brincava de jogar bola, e amava Ana Maria, que sumiu de sua escola sem deixar noticias, mas mesmo assim era uma boa época, em que sentia saudades e tinha amor de tudo.
João Felipe acordou, e estava disposto a dar um destino em sua vida, deixar toda a corrupção de sonhos de lado, e somente depois disso, passar enfim a viver.

8 comentários:

' Cris. disse...

Seus textos mais que lindo, tenho medo de dizer algo e errar HAUEHUEAH. Mas a gente tem que ser feliz, e lembrar sim do passado porque ele nunca ficara guardado.

http://eternizando-palavras.blogspot.com.br/

Caroline Vespa disse...

Muito bom =D

Tauã Soares disse...

Muito bom o seu texto!

da uma passadinha la? http://blogdogurii.blogspot.com.br/

B. disse...

Sinto que esse texto tem tudo a ver comigo. Estou precisando deixar alguns sonhos corrompidos de lado também. Nunca é tarde para dar a volta por cima, não é mesmo? Adoro seus contos Del Trejo, vc escreve com facilidade e emoção. Pra mim, é onde você melhor se insere, adapta e afins. Parabéns *-*

Ps: Só pra constar, estou com saudades de vc. Espero poder entrar no msn esse final de semana para conversarmos.

hrdoblush disse...

adoorei seu textoo!
mt bomm

http://hrdoblush.blogspot.com.br/

reinaldo del trejo disse...

Cris => Que isso Cris, o medo de errar tira a vontade de tentar.
Obrigado pelo carinho de sempre :D

Caroline, Tauã & Hr => Obrigado pela visita, voltem sempre.

reinaldo del trejo disse...

Bia -> Ah, eu tento escrever, só que meus textos nunca chegarão aos pés dos seus.
Esses contos hipotéticos são os mais gostosos de escrever, e acho que vou começar a escrever mais textos do tipo.
Saudade demais de ti guria :/
Beijão!

Tamy Kpyx disse...

Parabéns ! Ficou muito bacana esse texto.