terça-feira, 22 de maio de 2012

Chelsea Campeão da Champions League

Sábado foi marcado como o dia em que o Chelsea foi campeão da Liga dos Campeões da Europa.
Pela primeira vez, o time da capital inglesa saiu vitorioso desse torneio continental, considerado por muitos, o mais importante campeonato de clubes do mundo.
O jogo entre Chelsea e Bayern foi marcado pelo domínio alemão, sendo que a equipe de Munique teve total controle do jogo, assim, como as descidas mais incisivas, só que como futebol é feito de pequenos momentos, os “Blues” se mostrou mais maduro com jogadores que chamaram a responsabilidade como Petr Cech e Didier Drogba.
A partida foi extremamente dramática, com domínio total nos primeiros 20 minutos de jogo, desde sempre, o time alemão vinha com ótimas descidas do excelente Lahm, além de jogadas em diagonal do holandês Robben.
O Chelsea conseguiu seu primeiro chute a gol somente aos 41 minutos da primeira etapa, com trocas de passe entre Drogba e a finalização de Kalou. Neuer agarrou sem grandes dificuldades.
Logo depois, o vice-artilheiro da Champions League acabou perdendo um gol feito, Muller partiu pela direita e tocou para Mário Gomez, que fez um belo desvio de corpo e acabou isolando a bola.
A segunda etapa começou mais aberta, com Frank Lampard e Mikel saindo mais para o jogo, e o time alemão muito mais a vontade, sendo que Contento e Ribery se mostravam afim de jogo.
O Bayern de Munique desperdiçou gols durante toda a segunda etapa, até que aos 37 minutos do segundo tempo, o craque e nome do time, Sebastian Schweinsteiger cruzou para o jovem Muller, que mesmo errando a cabeçada, pegou o experiente Petr Cech de surpresa que acabou falhando em um lance tão importante.
A torcida londrina entrou em choque, até que David Luiz chegou firme desnecessariamente em Robben, e acabou sendo advertido com o cartão amarelo, o técnico Jupp Heynckes trocou Muller pelo zagueiro Van Buyten para tentar segurar o jogo.
A Tática de Heynckes não funcionou, já que Fernando Torres que havia entrado no lugar de Kalou conseguiu um escanteio, que Lampard bateu para a testada firme de Didier Drogba para o fundo das redes, e o jogo ficou empatado.
Enfim chegou as temidas prorrogações, as pernas dos jogadores já não respondiam como de costume, também não era de se esperar outra coisa, pois o jogo estava muito truncado.
O psicológico do Bayern de Munique parecia estar abalado, já que o meio não tocava mais bem a bola, e os laterais pareciam plantados no chão, até que em um lance totalmente destrambelhado, Didier Drogba derrubou o Francês Ribery, e o juiz português Pedro Proença que fez uma excelente partida acabou marcando a penalidade.
Arjen Robben foi para a cobrança, o mesmo que dias atrás disse que não era necessário treinar pênaltis, sendo que para ele, o importante era apenas o lado psicológico.
Infelizmente para o Holandês, em sua frente estava um dos melhores goleiros que o mundo já viu jogar, o gigante Tcheco, um dos maiores agarradores de pênaltis de todos os tempos, o mais impressionante de Cech é que ele simplesmente não escolhe canto.
Robben bateu com força média no canto direito e Cech agarrou sem maiores dificuldades, e o jogo continuou.
Nessa altura, nenhum jogador tinha mais pernas, e pareciam aguardar as penalidades máximas.
Os “esperados” pênaltis enfim chegaram, e com goleiros acima da média como Cech e Neuer, seria um pecado chamar as penalidades de “loteria”, era uma questão de técnica mesmo.
O capitão do Bayern, Lahm começou as cobranças e bateu firme, Cech até encostou a ponta dos dedos na bola, mas não foi o suficiente.
Mata que cobrou o primeiro arremate do time de Londres, e uma cobrança no meio do gol, Neuer não perdoou e a bola explodiu em suas pernas.
Mario Gomez, David Luiz, Neuer e Frank Lampard converteram todas as cobranças, até que o croata Olic parou nas mãos do gigante Tcheco.
O experiente Cole bateu colocado no canto, sem nenhum tipo de possibilidades para Neuer.
Na hora de Schweinsteiger bater o pênalti, sua face destacava um medo evidente, como se fosse isolar a bola. Assim como na cobrança de Robben durante a prorrogação, em que o craque alemão se agachou e nem quis ver o pênalti desperdiçado.
Não poderia ser diferente, já que o meia alemão é ídolo do Bayern de Munique, e além disso, é torcedor fanático do time de Munique, era como se o mundo estivesse em suas costas.
Como previsto, Shweinteiger desperdiçou a sua chance.
Essa final da Champions estava digna de filme de Hollywood, e agora era a hora do Marfinense Didier Drogba bater a penalidade máxima, logo Drogba que fez o gol, o pênalti, e além disso, estava em seu fim de contrato.
Seria épico a conversão daquela penalidade.
Drogba respirou e colocou a bola sobre a marca da cal, olhou fixamente para a arquibancada da Allianz Arena, palco erguido para a Copa do Mundo de 2006.
6 anos passados, lá estava um jogador que Fez história no clube de Londres, seria a marca final, o último gol.
Drogba partiu e converteu, um único lance foi capaz de cravar o nome e seu número na história do Chelsea.
Agora o Chelsea é campeão europeu, talvez seja a consagração de um “time grande”.
Mas esse mérito não é necessário, já que o carinho pela torcida vai muito além de títulos conquistados, pois um time não é construído somente por títulos.
Esse texto foi escrito para o Site Mundo da Bola, blog pelo qual comecei a escrever recentemente, mas que de certa forma expressa tudo o que senti durante essa partida. Caso queiram acompanhar minha escrita fora do Mente Aberta, este é o link:

http://mundodabola99.blogspot.com.br/

5 comentários:

Victor Lourenço disse...

O Cech foi o melhor, com certeza.

Millena Blogueira disse...

Inovação.Ainda bem que um time diferente ganhou!

hrdoblush disse...

super merecido o titulo

http://hrdoblush.blogspot.com.br/

Filipe disse...

estava torcendo pro chelsea ja vem merecendo a algum tempoo!! o bayer perdeu algumas oportunidades de matar o jogo!


CONCORRA A UM CARICATURA!
http://kelecatura.blogspot.com.br/

B. disse...

É aquele velho ditado futebolístico 'quem não faz, leva'. Foi dessa maneira, meio que uma incompetência do Bayern.
Mas achei mt phoda, sério, pq o time alemão teve domínio o jogo inteiro. Até parecia um monólogo.
Porém vamos aos fatos, quem foi competente o suficiente, consagrou-se campeão, no caso o Chelsea.