segunda-feira, 23 de abril de 2012

A Janela de Overton – Por Glenn Beck


Sabe quando você lê um livro, e ele acaba se encaixando exatamente com sua personalidade, e mais do que isso, ele faz reacender uma chama que estava adormecida dentro de seu subconsciente.
A Janela de Overton fez uma luz no fundo do túnel se reabrir, senti algo incrível ao lê-lo, me senti bem, sensação essa pela qual nunca havia sentido depois de ter lido qualquer que seja o livro.
“Achei a sua cara, e resolvi lhe dar”...Essas foram as palavras da Fabiana, ao ter me dado esse livro no amigo secreto do SENAI do ano passado, pelo qual eu sequer compareci.
Minha cara...
Confesso que eu mesmo acho difícil definir algo para mim, nem saberia ao certo como me presentear, mas esse foi um presente excelente, o melhor que já ganhei em qualquer amigo secreto.
A história se baseia em:
Noah Gardner é um executivo de relações-públicas bem sucedido, filho de Arthur Gardner, dono de uma das maiores empresas do ramo.
O jovem era despreocupado com tudo que girava entorno do país, estava mais preocupado com seus luxos e suas superficiais definições sobre como julgava a vida do que qualquer outra coisa, até que conheceu Molly Roses, uma estagiária que lhe convidou para uma reunião de patriotas que prometiam “mudar o mundo”.
Esse tema parecia ser muito impróprio e louco para uma pessoa tão despreocupada, mas Noah tinha se apaixonado pelo simples jogar de cabelo da linda Molly, e resolveu ir até esse encontro.
Fato esse que acabou acarretando uma mudança radical na vida desse rapaz, a verdade veio a tona, e agora restava a Noah renunciar o seu conforto e viver a verdade, ou se esconder em seu mundo repleto de hipocrisia.
É a partir deste enredo extremamente convincente e espetacular, que Glenn Beck escreve esse incrível livro, que faz repensarmos tudo o que julgamos verdadeiro, valores são passados, e o pior, no fim das 384 páginas fica uma vontade de quero mais que está me incomodando até agora.
Uma faísca de esperança cai sobre esse livro, como no fim, apesar dos pesares, temos que acreditar nos seres humanos, que um sonho deve ser perseguido, que somos capazes de recomeçar um novo mundo.
Mas o ponto que mais me chamou atenção foi uma frase que dizia “Mesmo achando que não possamos mudar por ser uma luta solitária, para toda luta tem que ter um começo, e esse inicio tem que começar a partir de uma pessoa”, e se acharmos que temos uma causa boa para ser seguida, foda-se o resto, a luta pode parecer árdua, mas com ideais honrosos e dignos, tudo se torna possível.
No mais é isso, não vou falar mais do livro, senão vai perder toda a graça, mas só posso dizer que esse é um ótimo livro e recomendo.
Só Posso agradecer a Fabiana por esse presente, obrigado.

2 comentários:

Garota Mania disse...

perseguir nossos sonhos não importa a batalha que teremos de enfrentar, pq no final sempre vale apena. bjs bjs.

cicero edinaldo disse...

GOSTEI DA FRASE DO LIVRO. Fiquei curioso para ler. Vou procurá-lo na biblioteca ou na livraria. Depois falo se gostei. abraços.


saudades de comparecer aqui.