domingo, 5 de fevereiro de 2012

Apenas pensar


Hoje é domingo, dia cinco de fevereiro de 2012, olha que data bacana não é mesmo?
Sim, seria apenas mais um passar de datas dentro do meu contexto, acho que no final, estou percebendo que não posso fazer muita coisa por esse mundo paranóico e sangrio.
Sinto que meus olhos estão secando, e toda a esperança está dissipando na nostalgia do dia-dia, a nostalgia que sinto é em saber que eu criei um ser que era para ser, mas simplesmente não é.
Você se acha uma pessoa complicada, porque não sente os calafrios obscuros que passam nas minhas entranhas todo dia.
Ouvindo um CPM nas alturas, de uma maneira que meus olhos estão fixo nesse documento de Word, perna direita levantada sob a mesa do computador, em cima de um sofá bordô que não gosto muito, almofadas entre as pernas.
Olhar vazio, estancado na pureza de uma falsa realidade, uma realidade cruel.
Em que você vai lutar pelo resto de suas inúteis frases categóricas, e realmente nada dará resultado.
Afinal, você sequer sabe quem é. Porque a vida estacionou, a vida parou e a melhor maneira de fugir dessa monotonia é tentar fazer algo diferente.
Não que essa diferença irá lhe dar prazer, longe disso, porque você já não é tão ingênuo.
Mas mesmo assim, guarde seus sonhos, coloque seus sentimentos, aprisione tudo que sente dentro do seu bolso.
Chore, mas faça isso de uma maneira que não seja notado, porque você não é um coitadinho, e não quer que ninguém sinta pena. Porque pena não é nada digno do ser humano.
Lute, mesmo que em todas as lutas dos últimos tempos você simplesmente perdeu, nada foi ganho, mas e daí, precisa de uma motivação?
Ache uma. Qual? Eu não sei, mesmo que a cada busca de um desejo, mesmo que a cada passo dado, pareça que tudo gire contra você, mostre ao mundo que você não é igual.
Porque realmente você não é.
O mundo pode ser pequeno, então não está na hora de expandir?
Em um lugar qualquer, alguém vai olhar para você e talvez esse alguém mostre qual é a verdadeira vida.
Fique, espere, mostre para todos que você é mais forte que qualquer outra pessoa, e se alguém duvida de ti.
Mostre a porra do seu dedo do meio e mande tudo para o inferno, porque a única pessoa capaz de duvidar de seu ser, é, olhe só, você mesmo.
E está fazendo isso nesse exato momento, seu filho da puta do caralho, para que tanto drama?
Você acha realmente que a vida é só você? Hipócrita de merda, você tem família, tem saúde, tem amigos, é inteligente, tem caráter, tem uma honra fora do comum, e sabe disso.
E mesmo assim duvida da própria capacidade? Que coisa não ?
O que você quer da vida?
Reconhecimento? Para que? Se mesmo se for reconhecido pelas outras pessoas, você se fuzilará porque não está feliz.
Cifrões? Para que? Se tudo que mais lhe importa, o dinheiro nunca trará para ti?
O que você realmente quer da vida?
Pergunta difícil para ser respondida, mas é foda, porque não existe uma resposta lógica.
Categoricamente, você dirá...”Quero ser feliz”, bonito não? Mas ao invés de ficar se lamentando em umas linhas tortas do Word.
Levante-se, e vá procurar a sua felicidade, quebra a cara, uma, duas, vinte e oito vezes, mas e daí, se no fim, você estará lutando por você?
Pare de levantar temas estúpidos que você mesmo pode responder, já que você tem todas as respostas em sua cabeça, basta você esfriar a cabeça e pensar.
Apenas pensar.

4 comentários:

Rafael Sorigoti disse...

Bom ... se descobrir ? dificil ... você vai perceber que você mudará com o tempo e com as situações que vai passar pela vida ... Como disseram um dia ... a vida é pra ser vivida e não compreendida


Abç

http://meuexamedeconsciencia.blogspot.com/2012/02/saude-publica-brasileira-precisa-de.html#comment-form

Café de Fita disse...

Bem legal.

***
Escrevo pro: http://cafedefita.blogspot.com/
(Patrícia Araújo - Colaboradora)

B. disse...

Vc está preso em uma confusão. Ora pensa que não vale a pena, ser diferente como sei que és, ora pensa que pode lutar e fazer a diferença, apenas por ser assim. Eu fico com a segunda opção. A monotonia é normal e acontece na vida de todos, mas em períodos diferentes. De fato, quando se chega a essa estágio, ficamos duvidosos, nos perguntando o porquê de ela não andar. Também me sinto assim, mas aí percebo, que eu não faço meu caminho sozinha. Que tem pessoas ao meu redor que eu amo e que a cada segundo ao lado delas, surge algo novo, na maioria das vezes, um sorriso novo. Pense nisso. Existem horas, momentos certos.

Claudiomar Aparecido disse...

Obrigado pela sua visita, gostei muito do seu blog.