sábado, 10 de dezembro de 2011

Senhor Destino: O encontro com as sombras


Andava pelo vazio do nada, estava andando descalço, perambulando sem um rumo definitivo, até que avisto um ser sombrio, sem face, sem absolutamente nada, ele continha apenas um lápis e uma borracha.
Comecei a observá-lo, ele estava abaixado fazendo algo, mas não notou minha presença, até que resolvi ver o que ele realmente estava fazendo, dei a volta em forma de círculo, de forma distante para continuar a não ser notado, fiquei de frente ao ser, mas longe, cerca de uns vinte metros, longe o suficiente para não ser notado, mas quando vi o que aquela coisa estava fazendo, achei muito estranho.
Ela estava rabiscando e apagando um tipo de cúpula, estava muito curioso, tive que chegar mais perto, mas de uma maneira em que aquilo não me notava, pois estava com muito medo, mas não tinha nada a perder, pois eu já estava no meio do nada, na verdade não sabia como estava lá, mas estava. Andei em direção a coisa, e estava tentando ver o que realmente tinha dentro daquele estranho objeto, até que percebi que existiam várias pessoas dentro daquilo, e o ser rabiscava e apagava de forma constante, não estava entendendo mais nada, e o mais impressionante era que aquela sombra não notava ou não ligava para minha presença.
Não entendia nada, mas eu estava em um lugar vago, não tinha o que perder, até que parei e gritei:
_O que está fazendo seu monstro!?
A coisa parou de desenhar, ficou alguns instantes parada, não esboçou mais nenhuma reação, até que de repente, ela sumiu.
Comecei a procurar aquele ser estranho desesperadamente, sendo que não sabia o que ele pretendia fazer, mas não encontrei, respirei fundo e fui ver o que havia na cúpula.
Observei e me assustei um pouco, era o mundo dentro daquele cubículo e existiam muitas pessoas com a cabeça aberta e aquele lápis era um tipo de mediador do que as pessoas pensavam, até que resolvi pegar o lápis apontei para uma pessoa, como mágica, os pensamentos dessa pessoa ficaram ainda mais expostos, e relei o lápis em um tipo de relampejo de imagem e tudo parou, toda aquela luz estranha se direcionou a mim, pensei e desenhei um sorriso, e parece que os pensamentos nebulosos daquele cidadão ficaram em paz, e aquela estranha luz se dissipou, não entendi bem, mas parecia que aquele lápis moldava o destino das pessoas.
Resolvi usar a borracha, e aconteceu um processo parecido, meio que puxei uma pessoa e apaguei tudo de sombrio e novamente as imagens se fecharam, fiquei encabulado com tudo aquilo, mas não sabia o que fazer.
Larguei o lápis e a borracha e me levantei, bem na hora que levantei senti um calafrio na espinha e me arrepiei por inteiro, até que ouvi um sussurro grotesco em meu ouvido:
_O que faz aqui intruso?
Não consegui responder, estava com tanto medo que nada saia da minha boca e a coisa continuou:
_Nada, nem ninguém pode invadir o meu mundo, isso daqui é somente meu, mais de ninguém...
Com muito medo, mas com uma dúvida que batia na barreira do meu peito, perguntei gaguejando:
_Mas quem é você??!
Com um sorriso macabro a coisa respondeu:
_Sou o Senhor Destino...
Comecei a pensar coisas estranhas, mas aquele monstro continuava colado em minhas orelhas,estava paralisado, não conseguia fazer absolutamente nada, aquele ser dava medo apenas de olhar, era um medo estranho, sendo que ele não tinha face, não tinha nada.
Fechei os olhos e olhei para o lado, a coisa sumiu novamente, mas eu não conseguia me mover, parecia que tinha algo me pregando naquela exata posição, até que do nada e bruscamente o ser me empurrou na cúpula, estava de cara grudada em um tipo de vidro, e a coisa subiu por cima de mim e empurrou o meu rosto contra o vidro, senti muita dor, até que ele puxou meus cabelos e jogou com uma grande força contra o vidro, esse vidro quebrou-se, senti meu rosto todo ensangüentado, mas agora conseguia ver as pessoas de muito perto e essas pessoas começaram a me encararam, até que fiz uma pergunta:
_O que vai fazer comigo???!!
A coisa encostou em meu ouvido, e com uma voz diabólica disse:
_O que vou fazer??_Com uma risada irritante e assustadora ela conclui:
_Eu já faço seu verme ingênuo...
E ele soltou meus cabelos e comecei a cair de uma maneira profunda, e o mais estranho é que em todas as beiradas existiam pessoas que me observavam, parecia que o buraco não tinha fim, até que olhei o chão, o chão se aproximava, vi que meu fim estava próximo e soltei um grito desesperado, até que acordei.
Sim, acordei desesperado e vi que tudo aquilo não passava de um sonho.
Continua...

9 comentários:

Samira Machado disse...

Muito bonito, parabéns!

http://thebookofmydreams.blogspot.com/2011/12/promocao-genio-do-mal.html

Guru do Metal disse...

bom texto

http://rocknrollpost.blogspot.com/

reinaldo del trejo disse...

Obrigado e voltem sempre :D

Blake disse...

Primeira vez por aqui...
Adorei o texto, realmente muito bom.
Adorei o blog. Seguindo aqui já e convido você a conhecer o Sook e seguir e comentar por lá também.
BjO

reinaldo del trejo disse...

Pode deixar, obrigado pela visita e estarei idno em seu blog...

Obrigado mesmo...

Beijo...

João Batista de Lacerda disse...

Isso é mais que um sonho.
É um pesadelo surgido do encontro com as sombras.
Continue, está indo muito bem.

lenny disse...

amor amei o seu blog tbm =)
ja estou te seguindo bjao.

reinaldo del trejo disse...

João...

Sim, um pesadelo vindo das sombras, continuuarei, pode deixar...

E obrigado pela visita...

Abraços

reinaldo del trejo disse...

Lenny...

Obrigado pelo carinho :D

Volte sempre...

Beijo