quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Nem o tempo pode acabar...


Vivia em um mundo em que você era presente em minha vida, sempre via você ao meu lado, mas nunca da maneira que eu sempre quis, adorava aquilo, mas aquela situação me assombrava.
Até que resolvi sair da cidade, fiz minhas malas e fui embora, fui para um lugar novo, novos ares para purificar o meu ser, simplesmente sumi.
Foram longos anos, vivi em um lugar totalmente diferente do que estava acostumado, durante esses anos, descobri o quanto você realmente era importante para mim.
Muitos anos sem ter nenhum tipo de noticia tanto sua quanto de todos que me acolheram por tantos anos, mas agora eu voltei, e voltei para ficar.
Não sabia como seria recebido, não tinha a mínima ideia, pois a minha ida foi do nada, e ninguém ao menos sabia para onde eu iria, nem mesmo eu tinha ideia do meu futuro rumo.
Mas inesperadamente, tudo parecia estar como sempre foi, fato esse que achei incrível por alguns momentos, até o momento em que pensei em ti, de forma esperada, fiquei triste, pois todos aqueles anos distantes podem ter afastado nós dois.
Fui procurar quem me importava de verdade, não sabia se morava ainda naquela casa de madeira amarela, mas fui lá.
Sua mãe abriu a porta e me viu, abriu um sorriso e perguntou como estava, estava ansioso é verdade, mas queria saber onde estava a “minha” menina, ela respondeu que havia saído com as amigas.
Pedi para sua mãe que me arranjasse um papel e uma caneta, e escrevi “Eu Te Amo’ e entreguei para sua mãe, torcia para que ela ao menos tivesse noção de quem tinha lhe entregado.
Voltei para casa, sentei em minha antiga cama, comecei a observar todos aqueles cartazes espalhados pelo quarto, quando menos percebi, já havia caído no sono.
O sol bateu em minha janela, e enfim, acordei, como foi bom acordar em minha antiga casa, em minha antiga vida.
Levantei, fui tomar o café de minha mãe, pelo qual eu sempre gostei e muito, já devia ser umas dez da manhã, mas o que mais me importava era que eu estava bem.
Começo a ouvir uma gritaria, alguém chamando pelo meu nome, fui de forma destrambelhada ver quem era, e sim, era você, olhei fixamente em seus olhos, peguei em suas mãos, e nelas havia uma folha, confesso que fiquei desesperado para saber do que se tratava, olhei novamente em seus olhos, sem dizer nenhuma palavra, vi que uma lágrima escorreu em seus olhos e você se afastou, como se estivesse indo embora.
Abri o bilhete e nele estava escrito “Você realmente vai ficar aqui”?
Vi que você estava somente um quarteirão de distância e corri ao seu encontro, afixei firmemente em seus olhos e disse “Sim, eu vou, nunca mais sairei de seu lado, pois te amo”...
Você chorou e me abraçou, depois me perguntou “Por que você foi embora, por que me abandonou?!”, respondi o mais breve o possível “Porque eu precisava sair, para saber o quanto eu te amava, e descobri que te amo mais do que o tempo, pois nem ele foi capaz de derrotar o meu verdadeiro amor”, escorreu lágrimas em seus olhos, até que enfim você me beijou, e agora sabia que estava com quem eu sempre queria, e não precisava de mais nada.

7 comentários:

Alex Monteiro disse...

Nooossa, que lindo, muito bem escrito, Parabééns ^^

Arlan Souza disse...

A proposta do blog é interessante, procure ser singular fuja do comum, esse é sem dúvida o grande lance para se ter sucesso aqui na blogosfera.
Enfim, não sei se este é o teu plano, mas boa sorte de qualquer maneira.

reinaldo del trejo disse...

Poxa cara, valeu tanto pelos elogios, quanto pelas dicas...
Vou escrevendo, sei que ainda tenho algumas falhas, mas com o passar do tempo vou adquirindo experiencia.
E sucessivamente, vou evoluindo.

Grande Abraço

Cuchila Blog disse...

emocionante *-*

www.cuchila.blogspot.com

Lucas Adonai disse...

Muito legal! ^^

Uilian Garcez disse...

Oi, parabéns pelo blog
seguindo

http://1000artemanhas.blogspot.com/

reinaldo del trejo disse...

Obrigado pelos elogios, voltem sempre :D