sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Walmor


Hoje nem me lembro exatamente o que iria postar, mas vou ter que descrever o que aconteceu comigo durante meu horário de almoço.
Estava almoçando tranquilamente até que um cara que trabalha na mesma empresa que eu disse alguma coisa sobre um Walmor que trabalhava no mercado ao lado de meu trampo, na hora me veio à cabeça um carinha que estudou comigo há uns 5 ou 6 anos atrás, mas de começo, achei normal, mas nem tanto assim, sendo que Walmor é um nome para lá de exótico, mas tudo bem, até que um colega de trabalho me chamou para ir ao mercado.
Lá fomos nós, pegamos um Toddynho (Nossa, como sou viciado nessa merda), e fomos ao caixa, dessa vez era a vez dele pagar, até que vejo o caixa gritando para o Walmor, olhei aquele carinha, não me lembrava em nada o Walmor da Sexta ou Quinta série, mas fui lá e perguntei : “Cara, você morava em Pirapó?”, ele balançou a cabeça e disse que sim, mas ele não se lembrava de mim, parecia que tava fugindo, tipo, deveria achar que eu ia molestar ele (claro que não, bicho feio da peste), mas tudo bem, ele estava trabalhando e eu estava o interrompendo, não o culpo por isso.
Esse fato me deixou um pouco encabulado, sei que de Pirapó para Prudente a diferença de distância é muito pequena, mas tive uma sensação estranha de como o mundo pode ser gigantesco e pequeno ao mesmo tempo.
Parece que a todo instante podemos encontrar pessoas que passaram por nossas vidas, gerando um grande ciclo vicioso, é algo bacana, porque a partir dessas coisas, podemos repensar em nossos erros e quem sabe corrigi-los em uma dessas voltas, e viva os Walmores da vida, opa, os encontros da vida, será que encontrarei outras pessoas que não vejo há tanto tempo ? O jeito é seguir para ver o que realmente acontece.

OBS: esse texto não é nenhuma ofensa para quem tem nome diferente, por isso, não saia xingando nem a mim, nem minha mãe, nem meu cachorro, falou?!

Nenhum comentário: