sábado, 25 de novembro de 2017

A hipocrisia de Bentinho

Li Dom Casmurro há uns 10 anos, e lembro que fiquei mais preocupado com as angústias do “casmurrão” Bentinho e acreditei firmemente que Capitu não havia lhe traído. Voltei a ler agora, e acredito sim que Capitu o traiu.

Mas tem algumas coisas que me incomodam:

Seu rancor a Ezequiel, que o amava como pai, mesmo considerando ser filho de Escobar;

A hipocrisia de ter falado em um trecho que havia traído Capitu algumas vezes;

O drama em tentar tirar a vida por causa da traição;

E o pior de todos: Abrir mão do amor de uma vida toda por causa de uma traição. Trair não é digno, mas acredito que isso seja válido em relacionamentos comuns. Mas já em um amor que nasceu junto com seu ser, assim como Bentinho e Capitu,  que antes de falarem uma palavra, já se amavam. Abrir mão disso, que é quase um sentimento divino por causa de uma traição vale mesmo a pena? 

domingo, 19 de novembro de 2017

De repente 24

Hey, você meu leitor imaginário que simplesmente não existe. Tudo bem?

Hoje estou completando 24 anos, e sinceramente nunca me senti tão sozinho. Rodeado de pessoas, mas a solidão me arrasta. Enquanto escrevo aqui, o ar-condicionado do quarto dos meus pais está transformando o quarto em uma geladeira.

24 anos e ainda moro na casa dos meus pais. 24 anos e nunca passei mais que duas semanas longe daqui. Existem coisas na vida que não tem preço, e vejo que cheguei aos 20 e poucos sem realizar grandes coisas.

É claro. Sou formado, tenho um bom emprego e nessa semana consegui uma vaga como colunista em um dos maiores sites de publicidade do Brasil. Terminei um livro e bla bla bla. Mas me sinto estranho – solitário.

Já entrei em vários períodos sabáticos em relação ao sexo oposto – todas as vezes por decepções amorosas. Mas acho que dessa vez vou entrar porque simplesmente não encontro alguém que valha a pena.

Sério. Prefiro ler, escrever e assistir filmes e séries do que perder meu tempo e dinheiro com pessoas inúteis, que não conseguem manter um assunto por mais de 20 minutos. E isso me irrita.

Entrei numa fria. Acabei namorando após quatro anos sem entrar em um relacionamento sério. Acabei tomando um chute de uma menina sem graça e que não tinha nada a ver comigo. Nem sei porque fiz isso. Perdi dois meses da minha vida.

Agora tudo estava voltando ao normal, e tive uma maldita crise de ansiedade que não vinha há dois meses. Mas estou me acostumando com elas. Vamos ver o que rola.

São palavras soltas de quem completa 24 anos e não sabe o que esperar do futuro. Então, que venha de forma solo. E sem ninguém para dar opinião em meus passos. 

domingo, 20 de agosto de 2017

Os Miseráveis - Simplesmente o melhor romance

 “Os Miseráveis”, obra do francês Victor Hugo traz exatamente tudo que um bom livro precisa. Extremamente amarrado, emocionante e cheio de reviravoltas. Mexe com todos os sentidos. Amor impossível entre Marius e Cosette; os erros que arrastaram a vida de Valjean; o amor pela profissão de Javert. E tudo isso contado em um contexto histórico pós-revolução francesa.

É um livro que coloca qualquer outro romance no chinelo. E se você é preguiçoso, tem o musical estrelado pela impecável Anne Hathaway, Hugh Jackman e Russel Crowe, que é muito bom e ganhou “só” três óscares em 2013.

Não perca seu tempo com romances mamão com açúcar. Leia esse livro ou assista o filme. Se for ruim, pode me cobrar. 


Abra a mente um pouco mais!





quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Ajuda?

Ontem, comprei um Minister ESTOURA PULMÃO, aquele do filtro vermelho. Fumei uns três e pensei: “Rapaz, esse negócio vai me matar mais rápido que os outros cigarros”. Estava saindo da melhor, após comprar um cigarro menos assassino e fui abordado por um mendigo:

- Amigo, pode me dar um cigarro? Hoje tá frio...

Enquanto fumava um Lucky Strike, peguei o maço de Minister assassino e dei para ele. Ele sorriu e disse:

- Você é um menino de coração bom. Fica com Deus.

Acho que não fiz o certo. Só acho.


Leia também!



quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Carma de Valjean

“- Jean Valjean!

Os cabelos se arrepiaram, como se ouvisse uma voz vinda do túmulo.


- Sim, destrua tudo! Esqueça o bispo. Deixe o homem ser condenado. Continue a ser prefeito, enriqueça a cidade, alimente os pobres, viva feliz. Mas, enquanto estiver sendo admirado pela sua virtude, haverá alguém sendo chamado pelo seu nome, na prisão, com a corrente que você deveria carregar nos pés!”


Victor Hugo
Livro: Os Miseráveis


Leia também!